Pesquisar
Pesquisar

Filho de Jango pede compromisso com as reformas de base

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

João Vicente Goulart no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.
João Vicente Goulart no Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.

O filho do ex-presidente Jango, João Vicente Goulart, esteve no Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSJ) para convocar os movimentos sociais e sindicais a lutar pela volta das reformas de base na política brasileira.

Ele também pediu a participação das entidades no Instituto Presidente João Goulart, previsto para ser construído em Brasília, com projeto idealizado por Oscar Niemayer – que servirá como um espaço da sociedade.

Ele contou que está satisfeito com o resultado de relembrar as reformas de base nas faculdades, organizações e sindicatos, porque eles têm interesse por elas. O golpe não derrubou só Jango ele eliminou uma projeto de governo que tinha como preocupação o trabalhador. “O período da ditadura foi o que mais achatou salários e aniquilou direitos humanos e habeas corpus”.

João Vicente contou que a elite tinha medo de perder privilégios com a implantação das reformas de base. A ditadura interrompeu as reformas agrária, urbana e bancária. Quando a elite reclama em parceria com os meios de comunicação elas se colocam contra os trabalhadores.

As reformas agrária, educacional, tributária, administrativa e urbana ainda não foram realizadas.
As reformas agrária, educacional, tributária, administrativa e urbana ainda não foram realizadas.

“Precisamos exigir dos cinco candidatos já declarados à disputar a próxima eleição o comprometimento com as reformas. Os governos e políticos precisam ter decisões claras para mudar a realidade que é a mesma há 50 anos. Para diminuir as desigualdades tem que fazer reformas de base e mexer com a elite.

Políticas de base: Reformas de base foi o nome dado pelo 24° presidente do Brasil, João Goulart, às reformas estruturais propostas por sua equipe. Estas incluíam os setores educacional, fiscal, político e agrário.

O somatório das reformas era chamada de bandeira unificadora, e dela se destacavam vários movimentos. Entre estes, os mais expressivos eram os que procuravam realizar as reformas agrária, educacional, tributária, administrativa e urbana. Havia também a necessidade de maior rigor no controle das remessas de lucros ao exterior.

O movimento das reformas de base era resultado das aspirações da classe média, dos trabalhadores e da classe empresarial nacionalista. Eram ideias que estavam mobilizando grande parcela do povo brasileiro. Estava formada uma onda de pressão social que foi barrada pelo golpe de 1964.

*Original no Sindicato dos Jornalistas no ESP..


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização