Pesquisar
Pesquisar

Fintechs e terceirização: Bancários são devorados por subempregos no Brasil

Entre 1988 e 2014, houve encolhimentos de 850 mil postos de trabalho, incluindo atividades de gerentes, escriturários e caixas, afirma economista
Amaro Augusto Dornelles
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O ramo financeiro envolve diferentes tipos de ocupação na economia de um país. Pois o emprego assalariado, diretamente contratado pelos bancos, reconhecido como trabalho dos bancários, está em vertiginosa queda com o desgoverno instalado no Brasil. Gerente, escriturário, caixa…

Essas e muitas outras atividades, contratadas diretamente pelos bancos, sofreram redução violenta entre 1988 e 2014, quando encolheu para 850 mil ocupações, compara o economista Márcio Pochmann, da Fundação Perseu Abramo.

Mas, a despeito disso, houve também uma ampliação de empregos nos bancos. Não com o emprego diretamente contratado, mas pelas terceirizações, criadas e multiplicadas no ramo financeiro e empresarial – para amenizar/maquiar o desemprego.

Os terceirizados não são bancários, mas executam um trabalho no ramo financeiro. Como exemplo, Márcio cita o trabalho dos consultores de bancos. De acordo com ele, há hoje mais de 100 mil trabalhadores envolvidos nesse ofício. E não só em bancos, como também em financeiras, claro. Há quantidade enorme de pessoas que prestam serviços para o setor financeiro, como pagamento de contas, por exemplo, realizados até no âmbito de agências lotéricas – os chamados correspondentes bancários.

Entre 1988 e 2014, houve encolhimentos de 850 mil postos de trabalho, incluindo atividades de gerentes, escriturários e caixas, afirma economista

Wikimedia
Em uma fintech, a tecnologia é utilizada, fundamentalmente, para trazer facilidade por meio da inovação




‘Pero no mucho’

Tem também as fintechs, que são a grande novidade do mercado. Trata-se de um ramo cujas mudanças organizacionais são responsáveis pela ampliação dos postos de trabalho – embora o emprego tradicional de bancário seja reduzido, o que segue ocorrendo.

O termo fintech vem da junção de Finanças e Tecnologia. São empresas que oferecem serviços financeiros diferenciados pelas facilidades proporcionadas pela tecnologia em junção com a internet.

Sem regulamentação, apps de delivery abrem as portas para o trabalho infantil

A tecnologia está sempre inovando, teoricamente, para facilitar a vida do consumidor. O problema é que o custo de tais ‘benefícios’ geralmente não tem espaço no marketing. E nem sempre eles compensam. De qualquer forma, nessa perspectiva, esse novo tipo de empresa nasceu no mercado a fim de trazer melhor ‘comodidade e agilidade’ para os consumidores.


Esforços pela inovação

A princípio, não se vê muita diferença entre esse serviço e os já oferecidos pelos bancos. Mas em uma fintech, a tecnologia é utilizada, fundamentalmente, para trazer facilidade por meio da inovação.

As empresas do ramo buscam criar metodologias, ferramentas e processos que facilitem o acesso aos serviços financeiros. O resultado de todos os esforços e inovações aparecem nos benefícios gerados para os usuários como a praticidade, custos baixos, burocracia reduzida e maior controle sobre as operações financeiras. Será mesmo?

Amaro Augusto Dornelles é colaborador da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Amaro Augusto Dornelles

LEIA tAMBÉM

Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos
EUA_taxar_mais_ricos_Biden
Biden não cumpre promessa de taxar mais ricos e EUA perdem US$ 690 bi em 3 anos