Pesquisar
Pesquisar

Florestas do meu exílio

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Ana Miranda*

Vai aqui uma história bem impressionante sobre a prisão, a fuga e o exílio do hoje senador João Capiberibe e de sua mulher, a deputada federal Janete Capiberibe, então grávida de 7 meses, durante a ditadura. É uma epopeia com direito a lágrimas, muitos
Vai aqui uma história bem impressionante sobre a prisão, a fuga e o exílio do hoje senador João Capiberibe e de sua mulher, a deputada federal Janete Capiberibe, então grávida de 7 meses, durante a ditadura. É uma epopeia com direito a lágrimas, muitos “nossaaaaa, não acredito!” e uma gravidez de gêmeos (além do nenezinho de colo) depois de cruzar a fronteira para a Bolíívia, à caminho do Peru e do Chile, sem documento, sem dinheiro e deixando sempre tudo para trás como condição de conseguir escapar. Produção e edição da Editora Terceiro Nome
O livro é maravilhoso e a história, quase inacreditável. Será lançado dia 15 de agosto na choperia do SESC Pompeia, com direito a músicas latino-americanas de protesto, uma pequena apresentação de Marlui Miranda e a participação especial de Chico César. Guardem a data!

Imagine a floresta amazônica, um rio passa entre árvores, pássaros gritam, barcos navegam contra o pôr do sol… Os nomes dizem muito: Xarapucu, Afuá… Um menino viaja pelas águas, descobrindo o mundo.

Ele conhece a alma das matas, viveu sempre entre as sombras misteriosas daquele reino encantado e perigoso, sem medo, é um ser da floresta. Vai morar na periferia de Macapá, onde há escola, e trabalha vendendo jornais e frutas e loterias para ajudar nas despesas da família pobre. Entra num seminário de padres italianos humanistas, mas não vai ser padre; seu fascínio é a política: grita contra a opressão da ditadura, entra para a Aliança Libertadora Nacional, vai de encontro a Marighella, estuda economia.

Casa com uma moça linda, nascida por mãos de parteira, que viveu a apartação cruel entre pobres e ricos durante os anos em que morou numa mineradora norte-americana encravada na floresta, em Serra dos Navios. A doçura do casal é comovente, ambos com traços indígenas no rosto, austeridade e modéstia no vestir, aparência frágil, mas de uma força extraordinária. Sonhadores, vivem para melhorar o mundo. A caminho de uma região de extrema pobreza, para onde vão fundar uma resistência, são presos. Ela espera uma criança, tem já uma imensa barriga.??O que acontece a partir dessa prisão está escrito num livro de memórias, que acaba de sair: “Florestas do meu exílio”.

Além de contar criteriosamente a saga vivida pelo casal, com sua filhinha, entre fugas dramáticas, perseguições, torturas de naturezas várias, vidas subterrâneas que fazem lembrar as cenas mais terríveis de Dickens, Conrad, Victor Hugo, até mesmo Graciliano Ramos ou Kafka, o livro tem outra virtude: revela um Brasil e uma América Latina “que poucos conhecem em todo seu encanto e rudeza, entre florestas, cumes andinos, pueblos, vinhedos, com suas canções, insurreições, fomes, tragédias e soluções de vida”, como escrevi nas orelhas do livro. “Vemos vilezas e horrores, mas também o dom humano de amar, apoiar, acreditar, lutar por um ideal; pessoas que nada possuem e são capazes de doar, desafiar gigantes, arriscar suas vidas”.

Esse casal, hoje, vive em Brasília, e tem uma biografia da maior retidão, pela veemência de sua fé e firmeza e lealdade. Ela é Janete Capiberibe, deputada por seu estado, o Amapá, e ele, João Capiberibe, senador da República e autor das memórias.??Jamais abandonaram suas crenças, nem as florestas. Depois do sofrimento de oito anos no exílio, ele foi governar o Amapá, e o fez com o conhecimento e amor nascidos no coração daquele menino; e ela, representante eleita, retribuiu o que havia aprendido com o povo. Trabalharam sempre contra os predadores das florestas, das cidades e dos orçamentos públicos; a favor das crianças pobres, mulheres, parteiras, da gente simples que vive nas matas produzindo mel, açaí, farinhas, colhendo castanhas, dos índios, pescadores, seringueiros, e toda a gente boa do Amapá.

Outro lado bonito do livro Florestas do meu exílio é a voz do autor. Mesmo numa situação tão extrema, é uma narrativa sensata, íntegra, aguda, capaz de compreender as razões mais profundas dos sistemas e das pessoas, não apenas as almas que auxiliam, como o lado mais vil da fome dos lobos. Uma voz paciente, corajosa, obstinada, moderna, que ainda sonha e acredita.???“Esse casal, hoje, vive em Brasília, e tem uma biografia da maior retidão, pela veemência de sua fé e firmeza e lealdade. Ela é Janete Capiberibe, deputada por seu estado, o Amapá, e ele, João Capiberibe, senador da República e autor das memórias”.

  • *Do Correio Braziliense

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia