Pesquisar
Pesquisar

Fórum Social Mundial 2021 será online e contará com participação de Lula e Angela Davis

A tradicional marcha de abertura que inaugura o evento todas as edições será substituída por um evento virtual, com exibição de vídeos de lutas sociais no planeta
Redação Brasil de Fato
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

O Fórum Social Mundial de 2021 será realizado totalmente online, entre os dias 23 e 31 de janeiro, quando completa 20 anos da primeira edição, em Porto Alegre, em 2001. O evento terá este formato virtual devido às dificuldades impostas pela pandemia.

A tradicional marcha de abertura que inaugura o evento todas as edições será substituída por um evento virtual, com exibição de vídeos de lutas sociais no planeta. Também ocorrerá um painel global sobre o tema “Qual o mundo que queremos hoje e amanhã”, com a participação de conferencistas e ativistas de todo o mundo.

Entre os participantes já confirmados estão nomes como o do ex-presidente Lula e da professora, filósofa, escritora e ativista antirracista estadunidense Angela Davis.

A tradicional marcha de abertura que inaugura o evento todas as edições será substituída por um evento virtual, com exibição de vídeos de lutas sociais no planeta

Reprodução
Fórum Social Mundial de 2021 será totalmente online, devido à pandemia.

O continente africano será representado pela escritora malinesa Aminata Traoré. Pela Europa, falará o ex-ministro de Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis. Da Ásia se manifestarão o ambientalista indiano Ashish Kothari e a professora Leila Khaled, da Frente Popular pela Libertação da Palestina.

Segundo o jornalista Carlos Tibúrcio, co-fundador do FSM, o evento é “uma voz de esperança”. Ele afirma ainda que o mundo está vivendo situações trágicas, antes mesmo da pandemia, como o agravamento intenso da desigualdade social e dos problemas ambientais. “São crises do capitalismo que se superpõem e se realimentam”, afirmou.

As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo pretendem realizar um protesto contra os desmandos e autoritarismos do governo de Jair Bolsonaro. “Queremos dar uma dimensão internacional à postura de crítica e combate a esse governo neofascista”, destacou ainda o jornalista.

Programação e inscrições

Após a abertura, serão realizados seis dias de discussões, com cinco painéis temáticos: Paz e Guerra; Justiça Econômica; Educação, Comunicação e Cultura; Feminismo, Sociedade e Diversidade; Povos Originários e Ancestrais; Justiça Social e Democracia; e Clima, Ecologia e Meio Ambiente. Os debates ocorrerão entre as 14h e 16h.

Já no dia 30 será a vez das assembleias autônomas dos movimentos. E, no dia 31, acontecerá a realização das Ágoras de Futuros, que irão definir as lutas sociais para o próximo período, e a cerimônia de encerramento, que também anuncia a próxima edição do Fórum, planejada para o México, mas ainda sem data definida em função da pandemia.


As inscrições já estão abertas e podem ser feitas individualmente ou coletivamente pela página: wsf2021.net. No site também é possível acompanhar a programação completa e conferir a relação completa de painelistas, além de cadastrar propostas e iniciativas para serem discutidas.


Confira a entrevista com o Carlos Tibúrcio ao Jornal Brasil Atual:

* Com informações da Rede Brasil Atual e do site da CUT – RS

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Brasil de Fato

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU