Pesquisar
Pesquisar

França colapsa sem combustível por sanções anti-russas e compra gás 4x mais caro dos EUA

"Está fora de questão permitir que o conflito na Ucrânia leve ao domínio econômico americano e ao enfraquecimento da Europa", disse ministro francês
Petr Ermilin
Pravda
Moscou

Tradução:

Na França, os funcionários da TotalEnergies e Esso-ExxonMobil já estão em greve há três semanas. A greve afetou mais de 60% da capacidade de refino do país (740.000 bpd). A França foi forçada a aumentar as importações de combustível em face do combustível muito caro nos mercados mundiais. É preciso passar muito tempo em longas filas de abastecimento de combustível no país. Muitos não conseguem obtê-lo de forma alguma.

O engarrafamento de gasolina em latas foi proibido, mas o mercado ilegal está florescendo. O preço de um litro de gasolina na internet chega a três euros ou mais, disse o jornal Le Parisien.

Na quarta-feira (12), os sindicatos se recusaram a cumprir a ordem da primeira-ministra Elisabeth Borne de voltar ao trabalho sob a ameaça de multas e processos criminais. Os trabalhadores exigem salários mais altos contra o pano de fundo da inflação.

"Está fora de questão permitir que o conflito na Ucrânia leve ao domínio econômico americano e ao enfraquecimento da Europa", disse ministro francês

Pravda
Na terça-feira (11), membros do Gabinete de Ministros francês começaram a suspeitar de que algo estava errado




Inflação cresce devido às sanções sobre energia e combustível russos

A taxa de inflação na França aumentou oficialmente em 5,6% em setembro. O orçamento doméstico médio aumentou em 112 euros por mês. Ao mesmo tempo, o crescimento dos preços dos alimentos foi de 12%.

A razão de tudo isso é a imposição de sanções da UE sobre a energia e o combustível russos. A França não ganhou nenhuma exceção para si mesma neste momento. Levando em conta o fato de que a França exporta combustível para a UE, a greve dos trabalhadores do petróleo também coloca em risco o bem-estar de seus vizinhos.

“Existe um vazio de projetos de esquerda na França e na Europa”, analisa especialista

A União Europeia está agora tentando comprar cerca de 600.000 bpd de combustível diesel para substituir o diesel russo antes de sua proibição de importação em fevereiro. No entanto, não há capacidade ociosa de refinaria no mundo. Até mesmo os EUA estão ficando sem combustível de todos os tipos.


Greve nacional está se preparando na França

Muitos motoristas profissionais na França anunciaram tempos de parada forçada. Enfermeiras, baby-sitters e médicos cancelam visitas domiciliares. As empresas da indústria manufatureira, agrícola, mineral e de produção de petróleo e gás experimentam dificuldades.

A deputada verde Sandrine Rousseau pediu uma greve geral.

“Espero que esta (a greve na refinaria) seja a faísca que causará uma greve geral. O nível de raiva no país é tão alto que eu acho que há uma oportunidade real de bloquear e mudar as políticas liberais seguidas pelo governo”, disse Rousseau, relatando o Bfmtv.

Segundo ela, os franceses consideram a política de Emmanuel Macron “insuportável”. A política de presidente aboliu tanto o seguro-desemprego quanto as pensões.

Se a situação se desenvolver, o governo da primeira-ministra francesa Elisabeth Borne poderá renunciar, mas Macron não tem maioria no parlamento. Uma coalizão de forças nacionalistas ou esquerdistas pode vir ao governo – eles não são liberais em absoluto. Eles são muito mais realistas no que diz respeito à imposição de sanções contra a Rússia.


Os ministros franceses suspeitam que algo está errado

Na terça-feira, membros do Gabinete de Ministros francês começaram a suspeitar de que algo estava errado.

O Ministro da Economia e Finanças Bruno Le Maire criticou os Estados Unidos por venderem o GNL quatro vezes mais caro que vendem a fornecedores americanos.

Da mídia à Casa Branca, EUA rejeitam falatório de Biden sobre ameaça nuclear russa

“Está fora de questão permitir que o conflito na Ucrânia leve ao domínio econômico americano e ao enfraquecimento da Europa”, disse o ministro no parlamento.

De acordo com o Grupo Internacional de Importadores de Gás Natural Liquefeito (GIIGNL), as exportações de GNL de todo o Atlântico para a Europa chegaram a 27 milhões de toneladas somente no primeiro semestre de 2022 (frente a 21 milhões de toneladas embarcadas em todo o ano de 2021). De todas as exportações dos EUA no mesmo período, 70% do GNL foi destinado à Europa, contra um terço no ano passado, enfatiza o Le Monde.

Seguir a política de sanções estadunidenses levará ao consumo de trigo e armar dos EUA. Em troca, a Europa terá que fornecer seus bens e cérebros para os EUA. Os Estados Unidos não são nenhum auxiliar quando se trata da necessidade da Europa em combustível. A Rússia é o único lugar de onde a Europa pode obter combustível barato em quantidades suficientes.

Petr Ermilin | Pravda


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Petr Ermilin

LEIA tAMBÉM

netanyahu
Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional
Ebrahim_Raisi (1)
Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã
milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional