Pesquisar
Pesquisar

França: Lá como aqui, c’est tout la même chose

Paulo Cannabrava Filho

Tradução:

Nas eleições da França ganhou Macron, o menos pior. O povo vai ter que comer o pão que o diabo amassou. Desemprego, empobrecimento da classe média, aumento da marginalização social nas periferias urbanas e, pior, o avanço do pensamento único imposto pelo capital financeiro. O banqueiro chegou agora ao cume do poder.

Paulo Cannabrava Filho*
Paulo-Cannabrava1 (1)O que ocorre na França, já foi dito aqui por mais de um de nossos colaboradores, decorre da traição da social democracia e dos sindicatos que se deixaram seduzir pelo canto da sereia do capital financeiro. Pode-se discutir se traição ou força das circunstâncias, mas o certo é que são responsáveis por executar o projeto neoliberal. Abandonaram o movimento de massas.
macron1Lá como aqui, esse comportamento levou à descrença, ao enfraquecimento de todas as esquerdas.
E agora?
Acumulação de forças, de muita força para reconstruir o que está sendo desmontado em questões de direitos e produção. Nem lá nem aqui há condições para se virar a mesa, fazer uma revolução. O processo será lento, de uma revolução cultural que devolva a capacidade de a inteligência voltar a pensar o país.
Nos Estados Unidos Trump completou 100 dias de governo inútil. Trump, Macron, Collor, Macri, Dória-Temer, todos com o mesmo discurso de combater a corrupção. Pura hipocrisia. Vão cortar as próprias mãos? O capitalismo é corrupto, o capital financeiro é corrupto absolutamente.
Está nos livros de história: a acumulação capitalista se faz ou por herança, pela exploração do outro, roubando ou traficando; em síntese, através da corrupção. Nos Estados Unidos as grandes fortunas dos pais da pátria começaram com o tráfico de ópio; a rainha da Inglaterra era a nau capitânia da pirataria. Mas essa é outra história.
Na França e nos Estados Unidos, para animar a economia eles irão à guerra. A França na África e no Oriente Médio, os Estados Unidos no Oriente Médio e na Ásia.
E nós, para onde vamos?
Desindustrialização
Nos últimos 30 anos o setor industrial caiu de uma média histórica de 25% de participação no PIB para 10%, e para menos que isso nos últimos três ou quatro anos, consequência da liquidação dos estaleiros e outras indústrias estratégicas paralisadas e não contabilizadas nessa estatística.
Nesse contexto, o volume de investimento em infraestrutura, que vinha numa média de 3% do PIB (o ideal para a ONU é 5% do PIB) nos últimos anos está em torno de 1,7% do PIB. Ridículo até mesmo para um país que escolheu ser exportador de matérias primas.
As sequelas da desindustrialização são terríveis. O desemprego formal, que segundo cômputos oficiais é de 16 milhões, está próximo dos 20 milhões, pois a estatística não conta aqueles que já não procuram por emprego. O IBGE maquia dados para mascarar a desindustrialização.
O operário especializado demitido entra na economia informal e dificilmente volta para o chão de fábrica. O problema do setor industrial se agrava com a falta de mão-de-obra especializada, que necessita de algum tempo para ser formada.
Nem a taxa nem o número de desempregados no país computa os milhões de emigrantes econômicos, fenômeno novo no Brasil, outra sequela do modelo imposto pela ditadura do capital financeiro. País tradicionalmente de imigrantes é hoje país de migrantes. Só nos Estados Unidos estima-se que há 1.5 milhão de brasileiros vivendo. Outro tanto vivendo na Europa onde a situação é nada fácil. Bruxelas apertou o cerco à imigração e uma média de 900 brasileiros é expulsa ou devolvida a cada ano.
Outra sequela não menos grave é que cada vez mais a indústria brasileira está funcionando como maquia –montagem com peças produzidas no exterior- que foi o que arrebentou a economia do México.
E como se não bastasse, tal como no México, além da ofensiva contra os direitos conquistados, estão entregando o petróleo do pré-sal, vendendo as terras para estrangeiros, submetendo a segurança aos Estados Unidos, violando a soberania nacional.

Poder constituinte

A direita conservadora (representada pelo Estadão) já admite que a crise e as reformas propostas, como a política e a trabalhista, requerem amplo debate, não estão sendo bem encaminhadas e deveriam ser tratadas numa Constituinte. Começam a concordar com setores dos desalojados do poder que foram os primeiros a propor uma Constituinte. De fato, é preciso repensar o país, refundar a república e isso realmente é tarefa para uma Constituinte.
Jogo duro, na atual circunstância.
Quem elegerá quem para formular as reformas necessárias?
A direita já entendeu que não basta financiar e ter prepostos no poder, é preciso ocupar os espaços, e o vem fazendo com maestria. Na composição da Câmara Federal eleita em 2014, dos 513 deputados, 221 são empresários. O portal Intercept, do jornalista Glenn Greenwald, revela que das 850 emendas à reforma política, 292 foram redigidas em computadores das Confederações Nacionais patronais, dos transportes, dos bancos, da indústria e da logística.
Arriscaria a direita perder essa hegemonia? Se entrarem nesse jogo, entrarão com todo o dinheiro do mundo, entrarão para ganhar.
Quanto ao reverso da moeda, terá a esquerda na atual conjuntura capacidade ou possibilidade de conquistar a maioria de uma Constituinte?
Uma Constituinte com hegemonia dessa nossa direita cavernosa seria o fim para qualquer projeto desenvolvimentista. Ou seria o caos político-social?
Triste sina para nosso sofrido povo que tem como líderes os porta-bandeiras do neoliberalismo.
Um fato concreto é que é indiscutível a liderança do Lula. Percebe-se que quanto mais acuado pelo judiciário e pela mídia mais cresce sua imagem no imaginário das massas populares. Imagino que não é nada fácil enfrentar o que ele está enfrentando, a certeza de que não lhe darão trégua. Tem que ter calma e confiança no povo que ainda acredita nele e oferecer ao povo o que espera dele.
Lula, a meu ver, tem condições de unir o país em torno de um projeto nacional. O que não sei é se terá vontade. É jogo duro, sei disso. Contudo, a hora é de virar a mesa. O Brasil precisa de um projeto nacional de desenvolvimento e de um plano para um governo de transição. Constituinte com Lula, pode ser uma boa bandeira. Mas tem que haver um projeto discutido com o que ainda sobrou de inteligência neste país.
*Jornalista editor de Diálogos do Sul, maio de 2017


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação