Pesquisar
Pesquisar

Francisco I: muros não solucionam a migração

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

papa en avionO papa Francisco I responde a perguntas dos jornalistas a bordo do avião que o levou de regresso a Roma e diz que “os muros não são a solução para a emergência migratória da Europa”

Durante o voo que levava o papa junto a seu séquito e os jornalistas acreditados pela Assessoria de Imprensa do Vaticano, da Filadélfia até Roma, o santo padre respondeu a diversas perguntas realizadas na conversa com a imprensa que normalmente se realiza quando termina uma viagem apostólica internacional. Sua experiência nos Estados Unidos, o perdão e os abusos a menores por parte de membros do clero, os processos de anulação de casamento e diversos conflitos internacionais atuais foram alguns dos temas tratados pelo bispo de Roma.

Respondendo a pergunta sobre o perdão aos “sacerdotes que cometeram abusos sexuais a menores e não pediram perdão às vítimas”, o papa respondeu que se uma pessoa fez mal, é consciente do que fez e não pede perdão, ele mesmo pedirá a Deus para que o tenha em conta. “Eu o perdoo, mas ele não recebe o perdão, está fechado ao perdão. Uma coisa é dar o perdão, todos somos obrigados a perdoar porque fomos todos perdoados, mas outra coisa é receber o perdão. E se esse sacerdote está fechado ao perdão, não o recebe porque fechou a porta com a chave dentro e que resta é rezar para que o Senhor lhe abra essa porta. É preciso estar disposto, mas nem todos podem receber, sabem receber ou não estão dispostos a receber. É duro o que estou dizendo. E assim se explica que haja tanta gente que termine sua vida dura, mal, sem receber a carícia de Deus”.

Prosseguindo com o mesmo tema e respondendo a segunda parte da pergunta, sobre se entendia as vítimas e suas famílias que não conseguiram perdoar ou não querem perdoar, o papa disse que os compreendia, que reza por eles e que não os julga. “Rezo e peço a Deus porque Deus é um campeão em buscar caminhos de solução. Peço que arrume isso”.

Sobre a atual crise migratória que assola a Europa e sobre o fato de que em diferentes países estão construindo novas barreiras para não deixar passar os que fogem do horror de seu país, o papa reconheceu a grave situação que se está vivendo e assegurou que os muros não são uma solução, que todos os muros caem. “Neste momento em que Europa esta em dificuldades é verdade. Devemos ser inteligentes porque para essa onda migratória não é fácil encontrar soluções. Porém, com o diálogo entre os países será possível encontrar. Os muros nunca são a solução. Por outro lado, as pontes sim. Sempre”.

Falando do  Motu Propio do Papa sobre os processos de anulação de casamentos, o papa Francisco assegurou que “faz falta reduzir os processos” . “Este documento, este Motu Próprio, facilita os processos nos tempos, mas não é um divórcio, porque o matrimônio é indissolúvel por ser um sacramento, e isto a igreja não pode mudar, é doutrina, é um sacramento indissolúvel”.

Finalmente questionado sobre o êxito dessa sua viagem, sobre seu pontificado e sobre o fato de que alguém o tenha qualificado como “uma estrela”, o papa contestou que os papas devem ser “servos dos servos de Deus”, e que muitas vezes as estrelas depois de ver-se se apagam ou caem, “enquanto o servo dos servos de Deus é bom, e isso não acaba”.

Por outro lado o papa falou que o que mais o impactou na viagem, é que “se via as pessoas rezando, isto me impressionou e gostei muito”. Os olhares, o calor das pessoas, a expressividade o o fato de que a igreja seja próxima do povo foi o que mais o papa gostou.

*Agência Ansa, de Roma


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação