Pesquisar
Pesquisar
Foto: Wafa / Wikimedia Commons

Frei Betto | Da ditadura no Brasil ao genocídio em Gaza: esquecer, jamais!

É preciso manter vivo o passado, para que não se repita no futuro. Por isso, nenhuma atrocidade ou genocídio merece ser varrida para debaixo do tapete da história
Frei Betto
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O que faz o governo sionista de Israel em Gaza é, no mínimo, “holocáustico”. Após o extermínio de 6 milhões de judeus pelo regime nazista, na Segunda Grande Guerra, a cultura judaica se apropriou do vocábulo holocausto, que deriva do grego “holos” (todo) e “kaustos” (queimado), relativo aos antigos rituais nos quais vítimas humanas eram sacrificadas no fogo.

É questionável se o termo se aplica apenas às vítimas do nazismo. E como denominar o que os colonizadores ibéricos fizeram com os indígenas da América Latina e do Caribe? Segundo pesquisas da UCL (University College London), os espanhóis exterminaram, em um século, 56 milhões de indígenas, 90% da população dessa etnia. Já Marcelo Grondin e Moema Viezzer (“O maior genocídio da história da humanidade”, Toledo (PR), Princeps, 2018) calculam 70 milhões de mortos entre os povos originários. 

Não apenas os judeus foram exterminados em campos de concentração. Também comunistas, homossexuais e ciganos. Contudo, o epistemicídio (quando se anula ou segrega um conhecimento) coloca no olvido os outros segmentos sociais levados às câmeras de gás. Em Berlim, que revisitei em fevereiro último, há um Museu do Holocausto. Não se logrou que houvesse um único museu em homenagem às vítimas do nazismo. Foi preciso que comunistas, homossexuais e ciganos instalassem cada um o seu.

O que agora Israel faz em Gaza é inominável. Como é inominável a cumplicidade dos países árabes e ocidentais com o genocídio ali praticado. Se o século 20 teve como marco o antes e depois de Auschwitz, este início do século 21 terá o antes e depois de Gaza. Ninguém, desde Hitler, propagou tanto o antissemitismo como Netanyahu. Enquanto isso, a “democrisia” (democracia + hipocrisia) dos EUA lança, por ar, provisões aos sobreviventes de Gaza e, por mar, entrega a Israel as armas que os exterminam.

O povo judeu nos ensinou a jamais esquecer. No presente, manter vivo o passado, para que não se repita no futuro. Por isso, nenhuma atrocidade merece ser varrida para debaixo do tapete da história.

Se Lula não admite, acertadamente, impunidade para os golpistas de 8 de janeiro de 2023, e nem que se fale em anistia para eles, maior razão para exigir a punição dos criminosos que, ao longo de 21 anos de ditadura (1964-1985), prenderam, torturaram, sequestraram, estupraram, baniram e “desapareceram” inúmeros brasileiros e brasileiras que lutavam por democracia. 

O próprio Lula foi preso político, encarcerado no Dops de São Paulo por liderar greves consideradas “subversivas”. Isso o levou a responder processos na Auditoria Militar da capital paulista e, mais tarde, em Brasília, no Superior Tribunal Militar. 

Esquecer, nunca mais! Daí a urgência de restabelecer a Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos e investigar e punir militares e civis que praticaram crimes hediondos e, injustamente, foram beneficiados pela esdrúxula Lei da Anistia de 1979. Como anistiar quem jamais chegou a ser investigado, julgado e condenado?

Quanto mais integrantes de nossas Forças Armadas continuarem impunes, mais nossa frágil democracia estará ameaçada pelo golpismo.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul.
Frei Betto Escritor, autor de “Cartas da prisão” (Companhia das Letras); “Batismo de sangue” (Rocco); e “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros 74 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.

LEIA tAMBÉM

Jorge_Glas-Daniel_Noboa (3)
Ordem de invadir embaixada do México partiu de Noboa; Glas corre risco de vida, afirma defesa
Sudão_criancas_crise_humanitaria
"Catástrofe geracional": 14 milhões de crianças no Sudão precisam de ajuda urgente
Mulheres_luta_por_moradia_Desocupação_do_Horto_RJ
Mais atingidas pela pobreza, mulheres estão na linha de frente da luta por moradia no Brasil
Sul21
Combater violência exige reabilitação digna de detentos, educação e igualdade social