Pesquisar
Pesquisar

Frente de oposição de esquerda se une a Boric contra projeto neoliberal no Chile

A bancada de Aprovo Dignidade se sustentará nas 183 lideranças cujo histórico é de combatividade
Redação Hora do Povo
Hora do Povo
São Paulo (SP)

Tradução:

Aprovo Dignidade, pacto composto por partidos e movimentos que apoiam a candidatura do advogado Gabriel Boric à presidência do Chile, inscreveu no Serviço Eleitoral (Servel), nesta segunda-feira, uma lista única para competir no dia 21 de novembro pelo desenvolvimento nacional e contra o retrocesso neoliberal.

Num ato bastante representativo, compareceram à cerimônia as direções nacionais dos partidos e movimentos do Chile Digno – Guillermo Teillier e Lautaro Carmona (Partido Comunista), Jaime Mulet (Federação Regionalista Verde Social), Tomás Hirsch (Ação Humanista) – e da Frente Ampla – Margarita Portuguez (Revolução Democrática), Jorge Ramírez (Comunes), Alondra Arellano (Convergência Social), reiterando a composição paritária das candidaturas entre homens e mulheres ao longo do país, de Arica até a Terra do Fogo. Também prestigiaram o evento Marcelo Díaz e Fernando Atria, presidentes do UNIR e do Força Comum.

Conforme as lideranças, para manter em alto as demandas sociais que o povo chileno tão bem manifestou nas ruas e dispostos a fazer valer, com Gabriel Boric, tais compromissos no Palácio de la Moneda, a bancada de Aprovo Dignidade se sustentará nas 183 lideranças cujo histórico é de combatividade.

A bancada de Aprovo Dignidade se sustentará nas 183 lideranças cujo histórico é de combatividade

Reprodução
Aprovo Dignidade, pacto composto por partidos e movimentos que apoiam a candidatura do advogado Gabriel Boric à presidência do Chile.

Na capital, foi apresentada uma lista ao Senado composta por duas figuras reconhecidas no PC: seu presidente nacional, Guillermo Teillier, e a ex-ministra da Mulher, Claudia Pascual. Comunes terá a ex-candidata ao governo, Karina Oliva, que soma com a ativista dos direitos humanos, Haydee Oberreuter.

Para a Câmara dos Deputados, há vários nomes que disputarão à reeleição, como a ex-presidenta da RD, Catalina Pérez; Karol Cariola, do PC, e Gonzalo Winter, da CS.

Sobre o tema:
Primárias da ex-Concertação, no Chile tem desfecho improvisado, sem brilho e amargo

De acordo com a presidenta da Convergência Social, Alondra Arellano, o pacto marcará um divisor de águas no Chile, que terá eleições presidenciais e parlamentares em um momento chave, em que há intensa disputa na própria Assembleia Constituinte. “Vamos com toda a vontade e a convicção de promover as mudanças no Congresso e em La Moneda”, destacou, acrescentando a frase que seu candidato à presidência utiliza na campanha: “Continuamos e vai ser lindo”.

Conforme o presidente do PC do Chile, Guillermo Teillier, “seguiremos como Aprovo Dignidade com o grande objetivo de conquistar a presidência da República com Gabriel Boric e ter uma bancada, tanto no Senado como na Câmara, que apoie este projeto, que seja uma potente base de sustentação legislativa para manter e canalizar todas as demandas que o povo chileno expressou tão nitidamente nas ruas”. “Esta é a unidade das forças transformadoras para um novo Chile”, sublinhou.

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Hora do Povo

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia