Pesquisar
Pesquisar

Futuro da humanidade é importante demais para ficar refém de países como os EUA

Washington é líder mundial em gerar aquecimento global e agora vive em uma realidade política doentia em torno da crise "Pelosi affair"
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

“E não conheço uma alma que não esteja golpeada/ Não tenho um amigo que se sinta tranquilo/ Não conheço um sonho que não foi destroçado/… Ainda assim, quando penso/ no caminho sobre o qual estamos viajando/ Me pergunto o que é que saiu mal… Chegamos nas horas mais incertas dessa época…”

Estes versos de “American Tune”, de Paul Simon, identificam acertadamente algumas das essências do momento atual nos Estados Unidos, apesar de terem sido escritos em 1973. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Desmoronam-se rapidamente os mitos fundamentais e necessários – para o bem e para o mal: isso de liberdades civis e direitos, junto com os enganos sobre as bondades e a “missão divina” desta democracia/império. A cúpula política só conta com um velho vocabulário e paradigmas obsoletos repletos de nostalgia de uma guerra fria com que enfrentar esta crise sem precedentes. 

Nunca antes se falou abertamente de uma crise existencial: sobre se a democracia estadunidense sobreviverá ou não, sobre se o planeta sobreviverá às mudanças climáticas. Em torno à terceira ameaça existencial, talvez seja consolo perverso de que não é tão nova: há mais de 75 anos tem estado presente a absurda e obscena possibilidade de um enfrentamento apocalíptico entre potências nucleares – hoje em dia entre Estados Unidos/Otan e Rússia, e por outro lado, a China. 

Quase todos os dias despertamos com outro alerta da comunidade científica sobre as implicações mortais de extrair, produzir e empregar outra gota mais de petróleo para o futuro das próximas gerações, ou como formulou Antonio Guterres da ONU: “temos uma decisão: ação coletiva ou suicídio coletivo” para pôr fim à “adição” aos combustíveis fósseis.  

Washington é líder mundial em gerar aquecimento global e agora vive em uma realidade política doentia em torno da crise "Pelosi affair"

Wikimedia Commons

Aqui se está jogando com a vida ou a morte desta república democrática, afirmam desde ex-chefes militares a líderes políticos

Líder histórico

Estados Unidos é o líder mundial histórico em gerar aquecimento global, e como tantos outros, vive em uma realidade política doentia em torno da crise “Pelosi affair”, Nancy Pelosi, EUA, China, Taiwan, soberania ambiental.

Enquanto se está auto congratulando por promover uma lei com a série de medidas mais ambiciosas em uma geração para abordar a mudança climática, o governo está ao mesmo tempo, como tantos outros, permitindo maior produção de petróleo e gás. 

Queda dos EUA como potência internacional sinaliza chegada do mundo multipolar

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos estão aprovando outro orçamento recorde de gasto militar para manter-se como a suprema potência militar da história, supostamente para defender “a democracia e a liberdade” no nível mundial, o que não está conseguindo proteger nem dentro de seu próprio território.

Já são 7 anos de uma série sem precedentes de delitos graves antidemocráticos, incluindo uma tentativa de golpe de Estado, onde até a presente data o autor intelectual e o responsável principal ainda não tiveram que prestar contas.

Aqui se está jogando com a vida ou a morte desta república democrática, afirmam desde ex-chefes militares a líderes políticos, incluindo o próprio presidente atual. Aqui, advertem e reconhecem os líderes mundiais em suas grandes reuniões, se está jogando o futuro do planeta ao aceitar o veredito da comunidade científica, só para voltar para casa e jogar com o “suicídio coletivo”.

E sem falar daqueles supostos estadistas e todos seus intelectuais militares, chefes de “segurança nacional”, e outras coisas que não são mais que um patético bolo de mentes infantis armadas com suficientes brinquedos mortais como para aniquilar o mundo, literalmente. 

Embora muitos ainda não se tenham dado conta, chegou nada menos que o momento para decidir a favor de um futuro para todos. Isso é demasiado importante para deixá-lo nas mãos da cúpula política estadunidense e com algumas exceções, a mundial. É hora de obrigá-los a deixar de jogar com o futuro do planeta nestas “horas mais incertas da época”. 


Bônus Musical 1 | Paul Simon y Rhiannon Giddens – American Tune

Bônus Musical 2 |  Queen ft. David Bowie – Under Pressure

David Brooks, correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu