Pesquisar
Pesquisar

Gastou US$ 4 mi e foi derrotada; trabalhadores da Amazon criam sindicato nos EUA

Multinacional mobilizou equipe de reação com apoio do seu Global Intelligence Program, que conta com ex-militares, para tentar derrubar protestos laborais
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net

Tradução:

Os trabalhadores do armazém JFK8 da Amazon, em Staten Island, festejaram na sexta-feira uma vitória há muito desejada pelo movimento laboral norte-americano.

A multinacional liderada pelo bilionário Jeff Bezos vai ter de negociar com um sindicato a representar os interesses dos trabalhadores, após 2.654 votos contra 2.131 terem derrotado as pretensões da empresa que investiu mais de 4 milhões de dólares em consultores na campanha anti-sindical.

O próximo passo da luta pela sindicalização terá lugar num armazém vizinho, com a votação a decorrer entre 25 e 29 de abril. 

O líder do sindicato, Christian Smalls, é um ex-trabalhador despedido após ter organizado um protesto contra a falta de medidas de saúde e segurança no trabalho nos primeiros dias da pandemia em 2020.

Chris Smalls após a vitória, com o cartaz (agora emoldurado) com que protestou em 2020, despoletando uma vitória histórica para o movimento de trabalhadores nos EUA. (Foto: Reprodução Twitter)

Este armazém funcionava com turnos durante 24h/dia e entregas para toda a cidade enquanto esta estava confinada. Quando surgiram os primeiros casos de infetados no interior da empresa, Smalls e os companheiros saíram para o exterior com cartazes onde se lia “A nossa saúde também é essencial”.

Segundo relata o New York Times, a Amazon mobilizou de imediato uma equipe de reação com o apoio do seu Global Intelligence Program, que conta com ex-militares para dar resposta aos protestos laborais.

Multinacional mobilizou equipe de reação com apoio do seu Global Intelligence Program, que conta com ex-militares, para tentar derrubar protestos laborais

Fibonacci Blue – Wikimedia Commons
Amazon mobilizou equipe de reação com o apoio do seu Global Intelligence Program, que conta com ex-militares

Diz o jornal que houve mais vice-presidentes da Amazon alertados para este protesto – onze – do que o número de trabalhadores que a ele aderiram. E um dos principais consultores da empresa aconselhou-a a tornar Smalls no rosto das campanhas pela sindicalização, alegando que ele “não é esperto nem muito articulado”.

Após o despedimento feito com a justificação que estava a violar as regras do confinamento, Smalls e o seu melhor amigo no armazém decidiram organizar um sindicato para estes oito mil trabalhadores, recorrendo a donativos através da plataforma GoFundMe. Quase todos os dias fazia da paragem de autocarros junto ao armazém a sua “sede de campanha” para contatar com os que entravam e saíam do seu turno.

Ao contrário da campanha que teve um resultado desfavorável à sindicalização num armazém do Alabama, esta surgiu e foi protagonizada a partir de dentro do armazém, o que ajuda a explicar o seu sucesso.

Outro fator foi a nova composição do gabinete federal para as relações laborais após a eleição de Biden, que permitiu aos trabalhadores vitórias importantes na justiça do trabalho, como o direito a organizarem-se dentro das instalações da empresa sem sofrerem retaliações por parte desta.

Apesar disso, a campanha milionária contra a sindicalização prosseguiu, com a monitorização das redes sociais dos ativistas, envios de sms para todos os funcionários e reuniões obrigatórias com superiores hierárquicos onde o tema era invariavelmente as desvantagens de ter um sindicato na empresa.

No dia seguinte à votação histórica, o novo sindicato da Amazon exigiu a abertura da negociação coletiva no início de maio e o respeito pelo direito à representação sindical nas reuniões sobre temas disciplinares.

Redação Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação