Pesquisar
Pesquisar

Geopolítica na Copa: emir do Catar comemora partida com bandeira da Arábia Saudita

Nos últimos anos, a relação diplomática entre os dois países e outras nações do Golfo Pérsico estava estremecida
Johnny Negreiros
GGN
São Paulo (SP)

Tradução:

A vitória de virada da Arábia Saudita sobre a Argentina por 2 x 1 foi histórica. Os sauditas nunca haviam vencido em uma estreia de Copa do Mundo. A imprensa esportiva já trata o placar como o maior resultado do futebol do país do Oriente Médio. No entanto, outra cena chamou a atenção em termos de geopolítica.

O emir do Catar, Tamim bin Hamad al-Thani, foi flagrado comemorando a vitória com uma bandeira da Arábia Saudita.

Ocorre que, nos últimos anos, a relação diplomática do Catar com a Arábia Saudita, e o resto do Golfo Pérsico, estava estremecida.

Em 2016, seis países da região impuseram sanções econômicas ao país-sede desta Copa. Junto da Arábia Saudita, Egito, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Líbia, Iêmen e Maldivas participaram do bloqueio comercial.

À época, o reino de bin Hamad foi acusado pelos vizinhos de apoio a grupos terroristas. Principalmente Abu Dhabi, que não aprovava a posição de Doha em relação ao Hamas e à Irmandade Muçulmana, por exemplo.

O rompimento duraria três anos e meio. A relação do Catar com o resto do Golfo Pérsico só voltaria a acontecer no começo de 2021. Naquele momento, a movimentação foi resultado de articulações do então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

O americano buscava agregar alianças no Oriente Médio em torno de Israel, na tentativa de isolar politicamente o Irã, com que Trump teve rixas em torno do enriquecimento de urânio da teocracia islâmica. Tradicionalmente, a Arábia Saudita é a maior aliada dos estadunidenses na região.

Johnny Negreiros | GGN


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Johnny Negreiros

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda