Pesquisar
Pesquisar

Gesto humanitário: Câmara de Comércio Brasil-Cuba pede que EUA flexibilizem bloqueio

"Estamos preocupados em salvar vidas", diz o documento ao ressaltar que "todos os países tem que estar unidos, pois todos irão passar por novos tempos"
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Em nota, a Câmara de Comércio Brasil-Cuba veio a público para propor um “um gesto de ajuda humanitária a todas as nações”, mas em especial aos Estados Unidos, para que o presidente Donald Tump flexibilize o bloqueio econômico imposto a Cuba há mais de 60 anos. “Estamos preocupados em salvar vidas”, diz o documento.

Leia a nota na íntegra:

"Estamos preocupados em salvar vidas", diz o documento ao ressaltar que "todos os países tem que estar unidos, pois todos irão passar por novos tempos"

NeedPix | AndyLeungHK
"Todos os países tem que estar unidos, pois todos irão passar por novos tempos."

Caros amigos.

Estamos vivendo uma Crise Mundial sem precedentes, é um momento de todos estarem juntos por um bem comum.

Bem comum este que devemos ajudar e ser ajudados. Ser solidário e receber solidariedade. Dar apoio e receber apoio.

Todos os países tem que estar unidos, pois todos irão passar por novos tempos.

Seguindo este pensamento nos da Câmara Empresarial Brasil Cuba propomos um gesto de ajuda humanitária a todas as nações em Especial ao Presidente dos Estados Unidos de flexibilizar o Bloqueio Econômico imposto a Cuba.

Pois estamos preocupados em salvar vidas Humanas, e neste momento de poucos recursos os mesmos devem ser bem aplicados.  

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES

Câmara Empresarial Brasil Cuba

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei