Pesquisar
Pesquisar

"Golpe brando" na Colômbia mira reformas populares de Petro, diz manifesto internacional

Segundo a carta, representantes do Pacto Histórico “estão sendo perseguidos ativamente”
Redação La Jornada
La Jornada
Cidade do México

Tradução:

Um grupo de intelectuais e dirigente políticos, entre os quais figuram o analista político estadunidense Noam Chomsky e o Nobel da Paz argentino Adolfo Pérez Esquivel, assinaram uma carta na qual advertem que se gesta um “um golpe de Estado brando na Colômbia”, organizado pelos poderes tradicionais do país com a finalidade de reverter a vontade popular. 

“A menos de um ano da posse do governo de (Gustavo) Petro, estão implantando o poder institucional combinado dos organismos reguladores, dos conglomerados midiáticos e o rama judicial do país para deter suas reformas, intimidar seus partidários, derrocar seus dirigentes e difamar sua imagem no cenário internacional”, aponta a missiva, assinada também pelo ex-mandatário colombiano Ernesto Samper, o ex-chefe da governo espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e o mandatário equatoriano Rafael Correa.

Assista na TV Diálogos do Sul

O texto aponta que a partir da procuradoria-geral e da promotoria-geral da república – encabeçadas por Margarita Cabello e Francisco Barbosa, respectivamente, “estão sendo perseguidos ativamente” os representantes da coalizão governante Pacto Histórico, com atos como a suspensão, destituição e inabilitação de seus representantes em cargos públicos, como os congressistas Alex Flórez e Alexander López, o presidente da Câmara de Representantes, David RaceroSusana Gómez, a senadora e líder negociadora de paz, María José Pizarro, “e inclusive o próprio presidente Petro”.

“No caso do senador Wilson Arias, por exemplo, Cabello – estreita aliada do ex-presidente Álvaro Uribe, que foi ministra de Justiça sob o governo anterior de Iván Duque – abriu um processo disciplinar contra o senador pelo “delito” de pronunciar-se contra a violência policial durante os protestos nacionais de 2021: uma violação flagrante do precedente legal estabelecido na Corte Interamericana de Direitos Humanos que impede os órgãos administrativos como a Procuradoria  Geral destituir funcionários eleitos”, exemplifica a carta. 

Colômbia: Como cartel midiático empresarial manipula opinião pública contra Gustavo Petro

Subscrita também pelo líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn e a presidenta do Partido dos Trabalhadores do Brasil (PT), Gleisi Hoffmann, a carta agrega que “entretanto, generais o coronéis retirados e reservistas membros das força militares colombianas não só proclamaram sua oposição ao presidente Gustavo Petro, mas inclusive marcharam na frente do Congresso para apelar a um golpe de Estado contra seu governo”. 

“O objetivo desta campanha coordenada é claro: proteger os interesses dos poderes tradicionais da Colômbia frente às reformas populares que aumentariam os salários, melhorariam a saúde, protegeriam o meio ambiente e proporcionariam ‘paz total’ ao país”. 

Continua após o banner

Diante deste cenário, os assinantes, entre eles Jean Luc Mélenchon, fundador de Francia Insumisa; Ada Colau, prefeita de Barcelona e o deputado grego Yanis Varoufakis, apelaram “aos amigos do povo colombiano e aos aliados da democracia de todo o mundo o se opor a estas infames táticas e impedir o avanço de um golpe brando na Colômbia”.

Redação | La Jornada
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

Segundo a carta, representantes do Pacto Histórico “estão sendo perseguidos ativamente”

Reprodução/Facebook
d


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação La Jornada

LEIA tAMBÉM

Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol