Pesquisar
Pesquisar

Governo Boric propõe ajustes ao texto da nova Constituição chilena para estimular "aprovo"

Perguntado se considera viável um acordo prévio ao 4 de setembro, Boric respondeu que “não somente o vejo viável, mas insisto nisso"
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Em um novo avanço a respeito de seu compromisso para conseguir a aprovação da nova Constituição chilena, o presidente Gabriel Boric pediu, nesta segunda-feira (2), aos partidos políticos do oficialismo, que consigam acordos acerca de possíveis modificações a serem feitas no texto emanado da Convenção Constitucional, ao mesmo tempo que enfatizou as substanciais diferenças entre “aprovar” ou “recusar” o texto no plebiscito de 4 de setembro.

Perguntado se considera viável um acordo prévio ao 4 de setembro, Boric respondeu que “não somente o vejo viável, mas insisto nisso. Não vejo uma dificuldade para chegar a acordos. Creio que está havendo debates que enriquecem, nos quais há consenso transversal entre aqueles que querem uma nova Constituição, de que o projeto pode ser melhorado”.

“Há uma discussão com relação a quais são os conteúdos específicos nele, mas eu vejo uma vontade compartilhada das duas coalizões para impulsionar um processo de melhoras”, acrescentou.

O presidente, a quem a oposição direitista e partidária do “recuso” acusa de fazer proselitismo e de ser quem comanda a campanha do “aprovo”, também enfatizou que “é importante entender que os cenários de “aprovo” ou “recuso” são diferentes: se for aprovado o novo projeto da Constituição, não vai depender do veto histórico que a direita teve durante os últimos 30 anos a respeito à Constituição atual”.

Leia também:
No Chile, direita usa fake news sobre indígenas e aborto para invalidar nova Constituição

Em troca, “se ganha o “recuso”, vamos voltar a folhas zero e teríamos que começar um novo processo constituinte tal como decidiu o povo do Chile, o que já manifestei de maneira clara que é a posição do governo”, afirmou o mandatário.

Perguntado se considera viável um acordo prévio ao 4 de setembro, Boric respondeu que “não somente o vejo viável, mas insisto nisso"

Reprodução – Twitter
Esquerda lançou a consigna “aprovar para reformar" em contraposição ao slogan direitista “recusar para reformar”

A incerteza acerca do resultado do plebiscito de 4 de setembro – certas pesquisas dão uma vantagem clara ao “recuso” (48% versus 38%) enquanto outras mostram um empate técnico ao medir o eleitor provável (aquele que diz estar decidido a votar) – fez com que nas últimas semanas a centro esquerda oficialista lançasse a consigna “aprovar para reformar” – ou seja, despejar já aquelas “falhas” que tiram o apoio ao texto –, em contraposição ao slogan direitista “recusar para reformar”.

Durante todo o mês de julho, o presidente Boric se lançou a “governar a partir dos territórios” e praticamente se transladou todos os dias a comunidades e bairros modestos de Santiago e de regiões para intermediar com os habitantes. Nessas ocasiões, ele anunciou medidas de apoio aos setores mais carentes, como por exemplo, o término do copagamento para o Fundo Nacional de Saúde (Fonasa) para os beneficiários das partes mais pobres. É importante recordar que o acesso à saúde no Chile depende da capacidade econômica de quem a necessita, inclusive no sistema público.

Aldo Anfossi | La Jornada
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia