Pesquisar
Pesquisar

Governo da Argentina ordena a abertura dos arquivos da ditadura

Juliane Cintra

Tradução:

Foto: Antonio Cruz/ABr
Foto: Antonio Cruz/ABr

Juliane Cintra*

A publicação do decreto 4/2010, no último dia 06 de janeiro, marca um momento importante para os argentinos e, conseqüentemente, para todos os latino-americanos.

Pois por meio dele a presidente Cristina Kirchner ordenou a abertura dos arquivos relacionados à atuação das Forças Armadas argentinas entre 1973 e 1986.

O dispositivo, que contém as assinaturas dos ministros da Justiça, Julio Alak, e da Defesa, Nilda Garré, retirou a classificação “de segurança” dos documentos e informações vinculados às práticas militares desse período, salvo às relacionadas ao “conflito bélico do Atlântico Sul [Guerra das Malvinas] e a qualquer outro conflito de caráter interestatal”.

Para o Secretário de Direitos Humanos da Argentina, Eduardo Luis Duhalde, esta medida agiliza o levantamento das informações necessárias para o encaminhamento dos processos de anistia e dos crimes contra a humanidade pelo Poder Judiciário.
Os documentos que serão divulgados tratam da ação dos grupos de inteligência do Exército.

A ditadura argentina foi uma das mais violentas da América Latina, cerca de 30 mil pessoas desapareceram durante a repressão.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juliane Cintra

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito