Pesquisar
Pesquisar

"Governo de Jeaninne Áñez privatiza e empobrece Bolívia", denuncia ex-chanceler

Segundo Sergio Pascual, especialista em América Latina, o governo da boliviana estaria cortando as bases de sustento das classes sociais mais vulneráveis
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
La Paz

Tradução:

O governo interino da Bolívia está produzindo mais pobreza e privatizando empresas públicas, porque seu objetivo é favorecer o grande capital, disseram à Sputnik os líderes do Movimento ao Socialismo (MAS), agora oposição, e um especialista.

“O governo de Evo Morales [2006-2019] conseguiu levar o país aos maiores sucessos em matéria econômica e social […], no entanto, agora há um aumento iminente da pobreza, porque o governo de [Jeanine] Áñez está começando a suspender os subsídios destinados aos setores mais vulneráveis. Além disso, há uma privatização”, declarou o ex-ministro das Relações Exteriores boliviano Diego Pary à Sputnik.

A Bolívia mergulhou em uma crise política nos últimos meses do ano passado, quando Morales renunciou à presidência em 10 de novembro, pressionado pela liderança das Forças Armadas e pela polícia, e após várias semanas de protestos da oposição contra uma suposta fraude eleitoral nas eleições de 20 de outubro.

Por sua vez, a deputada do MAS, Sonia Brito, disse à Sputnik que o novo governo representa “um passo atrás muito preocupante, pois está destruindo a estabilidade econômica e paralisando a distribuição da riqueza através dos subsídios sociais”.

Segundo Sergio Pascual, especialista em América Latina, o governo da boliviana estaria cortando as bases de sustento das classes sociais mais vulneráveis

Twitter Jeaninne Áñez / Reprodução
A Presidenta autoproclamada da Bolívia, Jeanine Áñez

Efeito econômico do novo governo

Também o antropólogo espanhol Sergio Pascual, do Centro Estratégico de Geopolítica da América Latina (CELAG, na sigla em espanhol), afirmou à Sputnik que “a economia boliviana estaria à beira do “caos”.

“O governo desmantelou contratos de lítio […] se começar a haver incerteza jurídica para as empresas que têm trabalhado no país e, por outro lado, o setor externo se desequilibrar devido a essa falta de controle do mercado interno, poderemos descobrir que um país que não se lembra da inflação há muito tempo deve se lembrar novamente”, advertiu.

Pary disse que desde o “golpe de Estado” os bolivianos estão sentindo o impacto da “crise”, as microempresas estão fechando, os pequenos comerciantes não conseguem vender seus produtos, e a economia do país está “paralisada”.

“O atual governo não teve nenhuma previsão diante [da volatilidade do] preço do petróleo ou do dólar […] [A] verdade é que as prioridades do governo mudaram; durante a administração Morales o objetivo sempre foi os setores mais necessitados, agora é apenas o fortalecimento do setor empresarial”, acrescentou.

Quanto às alegações de privatização, os trabalhadores da companhia estatal Boliviana de Aviação (BoA) denunciaram que o governo reduziu suas operações, cedendo terras à empresa de aviação privada Amazonas, da qual, segundo o jornal Los Tiempos, vêm vários dos novos executivos da empresa estatal.

A BoA também tem sido alvo de uma série de reclamações sobre alegadas irregularidades e dificuldades financeiras.

O governo Morales havia projetado um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) entre 4,0 e 4,5% para 2019, mas a crise eleitoral e a semiparalisia do país devido aos protestos levaram a que a expansão tenha sido de 3%.

Para este ano, as autoridades atuais estimam que o PIB cresça 3,5%.

Feitos de Morales

Brito considerou que a maior conquista do governo Morales foi a inclusão de setores indígenas, camponeses e mulheres.

“Essa é uma das contribuições mais importantes, onde as grandes maiorias passaram a fazer parte do governo; além disso, propusemos um modelo econômico que, ao contrário do neoliberalismo, estabelece uma economia plural e comunitária, na qual a riqueza tem sido gradualmente redistribuída”, salientou.

Sonia Brito também destacou que Morales conseguiu evitar que o dólar subisse em 13 anos, o que fortaleceu a moeda nacional e permitiu que a população expandisse seus negócios.

Pascual e Pary disseram que “o feito mais espetacular” da administração Morales foi a redução da pobreza.

“Alcançamos um crescimento econômico de 5% nos últimos seis anos de governo, e aumentamos o PIB de US$ 9,5 bilhões em 2005 para US$ 40,8 bilhões em 2018; isso se traduziu em benefícios para a sociedade, com a concessão de subsídios sociais em favor dos setores mais vulneráveis, crianças, mulheres grávidas e idosos”, destacou Pary.

Ele observou que cerca de 3 milhões de bolivianos se juntaram à classe média, e que a pobreza foi reduzida em 26 pontos percentuais.

A pobreza caiu de 60,6% da população em 2006 para 34,6% em 2018, ao mesmo tempo que o analfabetismo caiu de 13% para 2,4%, e o salário mínimo aumentou em 301%, conquistas que foram destacadas pelo Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe.

O povo vê as mudanças?

Pascual advertiu, no entanto, que os cidadãos não estão “tão conscientes” das mudanças.

“O povo quer que a democracia volte, e isso beneficia Áñez. Além disso, as medidas que ela vem tomando ainda não tiveram um impacto econômico claro”, acrescentou.

Sergio Pascual considerou que a acusação de fraude feita pelos Estados Unidos e pela Organização dos Estados Americanos (OEA) “teve sucesso”, apesar de diferentes instituições, tais como a de CELAG, ou de dois pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), EUA, terem observado que não havia evidências de tal.

“Muitas pessoas foram obrigadas a duvidar se havia fraude ou não, porque havia muitas pessoas dispostas a votar em Evo, mas que ele não gostaria de aparecer depois de perder o referendo [constitucional de 2016]”, refletiu.

O estudo estatístico de John Curiel e Jack Williams, publicado no blog The Monkey Cage do jornal The Washington Post, foi reivindicado por Morales e seus apoiadores como uma suposta demonstração de que não teria havido fraude nas eleições de outubro passado.

Entretanto, o MIT esclareceu que, embora Curiel e Williams sejam pesquisadores naquela universidade, esse relatório foi feito para o Centro de Pesquisa Econômica e Política (CEPR, na sigla em inglês), um think tank de esquerda.

Da redação SputnickNews


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA