Pesquisar
Pesquisar

Grande "exposição esportiva" dos EUA permite que crianças manuseiem armas de fogo

Segundo a organização do evento, o público chegou a 200 mil pessoas em 2023 e espera-se ainda neste ano devido à presença de Trump
David Brooks
La Jornada
Harrisburg

Tradução:

A “maior exposição de esporte ao ar livre do mundo” tem atos para toda a família – barcos e equipamento de pesca, roupa de camuflagem, concurso de tiro ao alvo, para montar a cavalo e vendedores oferecendo viagens para caçar em lugares exóticos na África e na América Latina. No entanto, a parte mais ativa do evento é a enorme “Sala de esportes de tiro”, onde estadunidenses podem comprar armas semiautomáticas, silenciadores, jalecos anti-bala e outros equipamentos “esportivos” para suas necessidades pessoais. 

Este evento é organizado anualmente pela Associação Nacional do Rifle (NRA, por sua sigla em inglês) e anúncios por toda a convenção declaram que “este é o país de NRA”. Uma porta-voz da organização explica ao La Jornada que esta exposição oferece às famílias de todo o país a oportunidade de reunir-se ao longo de oito dias para aprender novas habilidades de pesca, carniceria caseira, caçar porcos com visão noturna e, é claro, como usar armas de fogo.

Na realidade, muitas das conversas que se escutavam ao passear pelo espaço de convenções de um quilômetro quadrado eram sobre “como conseguir uma boa presa”. Nesta sala, encontram-se animais de pelúcia e reais graças à taxidermia – zebras, cervos, ursos, lagartos entre outros.

A exposição é desenhada para toda a família. Muitos casais jovens carregando crianças em carrinhos ou caminhando com elas, entusiasmam-se ao chegarem a cada uma das exibições. Porém, mesmo se elas se cansarem de tantos barcos, equipamentos de pesca e armas de fogo, podem escapar à “Zona de crianças” onde se encontram outras diversões.

Leia também: Em 5 anos, EUA registraram mais de mil incidentes por arma de fogo em escolas

No ano passado, conta a porta-voz, chegaram mais de 200 mil pessoas à exposição, e este ano esperam ainda mais – em parte porque o ex-presidente e candidato presidencial Donald Trump fará um discurso no país da NRA nesta sexta-feira (16). 

Muitos jovens gostam de tomar uma pistola, de cem diferentes estilos, e apertar o gatilho. Era algo desconcertante ver tantas crianças como adultos tomando uma arma de fogo, posicioná-la e apontar. De acordo com os vendedora, todas as armas foram inspecionadas para garantir que não estivessem carregadas com balas – embora as balas estejam disponíveis em outros postos de exibição.

Continua após a imagem

Segundo a organização do evento, o público chegou a 200 mil pessoas em 2023 e espera-se ainda neste ano devido à presença de Trump

Foto: NRA
As palavras “liberdade” e “empoderamento” estão por toda parte e são centrais à cultura deste evento




Armas ocultas

Vive em um estado que permite aos seus cidadãos portar uma arma oculta? Talvez você ou sua esposa gostariam de um “bolso de arma oculta”. Existem vários estilos e desenhos disponíveis aqui, além de móveis com compartimentos secretos para esconder uma arma, diversos tipos de cartucheiras e roupa para portar sua arma publicamente – tanto aberta como clandestinamente. 

Entrando à Sala de Esporte ao Tiro, há um menino de uns 11 anos vestido com um gorro de camuflagem, fascinado em frente à uma exposição de três das armas semiautomáticas Smith & Wesson Volunteer XV. As armas, como informa a empresa em seu posto de exibição, usa uma bala calibre 5.56 “OTAN”, e pode ser carregada com até 30 balas, mas como todas as armas aqui são apenas semi-automáticas, o atirador deve apertar o gatilho cada vez que dispara.

Leia também: 1/5 dos estadunidenses já perdeu algum familiar por arma de fogo; medo é maior entre negros e latinos

A julgar pela multidões, as armas tipo AR-15, como a Volunteer XV, são as mais populares. A uns 100 metros do stand da Smith & Wesson, uma nova empresa, o APOD Group exibe sua versão do AR-15: “Queríamos desenvolver uma arma que corrige tudo aquilo que as pessoas não gostam do AR-15 original”, explica ao La Jornada Noah Graeme, presidente e executivo chefe da empresa. O novo desenho mantém frio o barril, suaviza o golpe da culatra, facilita o acesso ao gatilho, entre outras melhorias.


Tudo para os amantes de armas de fogo

Há uma grande variedade de armas longas, algumas réplicas de armas de um século atrás, como também lentes de visão noturna, rifles de longo alcance para especialistas em tiroteios, e silenciadores. Há pelo menos quatro fabricantes de jalecos anti-balas, e também de rifles feitos sob medida, incluindo um modelo AR-15 com o selo presidencial e as palavras “POTUS 45” – em honra ao 45º presidente e orador estelar nesta sexta-feira. 

E as metralhadoras e armas automáticas? Perguntou-se a vários dos encarregados de exibições. Não estão à vista aqui. Vários vendedores expressaram sua frustração pelo requisito de obter licenças especiais para silenciadores, ou para armas semiautomáticas curtas e todos explicaram com muito cuidado que neste país os civis só podem comprar armas semiautomáticas.

No entanto, uma rápida consulta no YouTube revela um vídeo de instruções do “The Carolina Gun Guy” que oferece o necessário para converter um rifle semi-automático AR-15 em um plenamente automático: “É uma operação bastante simples, tarda uns dois minutos”, está explicado no vídeo que subiu há quatro anos e que já soma 814 mil visitas.

As palavras “liberdade” e “empoderamento” estão por toda parte e são centrais à cultura deste evento – há “Munições Liberdade”, “Tours Liberdade” e armeiros como Smith & Wesson, descrevem suas armas como instrumentos para “empoderar estadunidenses”.

Jim Cason e David Brooks | Correspondentes de La Jornada em Harrisburg, Pensilvânia e Nova York
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar