Pesquisar
Pesquisar

Grande mídia ignora protestos na França contra Otan e envio de armas à Ucrânia

País presidido por Emmanuel Macron França tem estado entre os principais apoiadores do regime de Kiev no conflito em curso com a Rússia
Redação Russia Today
Russia Today
São Paulo (SP)

Tradução:

Vários protestos em massa contra a adesão da França à OTAN e seu contínuo apoio ao regime nazi de Kiev foram realizados neste domingo (26) na capital Paris e em outros locais em todo o país. As manifestações ocorreram pelo segundo fim de semana consecutivo e a maior delas foi em Paris. 

Diferente da Itália, que já atraiu forças de esquerda para as manifestações anti-OTAN, na França essas correntes parecem ainda não terem percebido o caráter imperialista e pró-nazista da OTAN e sua guerra contra a Rússia.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Vamos sair da OTAN e da UE, organizações de guerra!”, diziam as faixas na manifestação. “Nova manifestação contra o subsídio da guerra na Ucrânia a saída da OTAN!”, defendiam os participantes do protesto. “A mídia continua a nos ignorar, mas a resistência está aumentando na França”, bradavam os manifestantes.

Tradução: As bandeiras da UE e da OTAN foram hoje rasgadas na Marcha Nacional pela Paz! O símbolo da nossa libertação! Vamos sair da OTAN e da UE, organizações de guerra!

Os organizadores do ato, apelidado de Marcha Nacional pela Paz, afirmaram que o ato deste domingo (26) atraiu ainda mais participantes do que na semana passada, quando cerca de 10.000 compareceram a um comício na capital francesa. Protestos anti-OTAN também foram realizados em cerca de 30 outros locais em toda a França.

Tradução: Nova manifestação contra o subsídio da guerra na Ucrânia a saída da OTAN! “A mídia continua a nos ignorar, mas a resistência está aumentando na França”

Os manifestantes marcharam pelas ruas de Paris, carregando uma grande faixa que dizia “Pela Paz”. Eles pediram a retirada da França da OTAN, liderada pelos EUA, e da UE, e pediram também a suspensão do fornecimento de armas à Ucrânia.

O ato também condenou o atual presidente francês, Emmanuel Macron, gritando “Macron saia!” – um slogan comumente usado por vários manifestantes anti-governo ao longo de sua presidência.

A França tem estado entre os principais apoiadores do regime de Kiev no conflito em curso com a Rússia, que eclodiu há um ano. Enquanto Macron fingia pedir uma solução diplomática para as hostilidades, Paris forneceu ativamente armamento variado para a Ucrânia, incluindo veículos blindados e obuses autopropulsados avançados.

Redação | Russia Today
Tradução: Hora do Povo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Russia Today

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação