Pesquisar
Pesquisar

Grande mídia quer Lula obediente aos EUA e calado sobre geopolítica, diz analista palestino

"A única verdade ouvida pelos veículos de comunicação no Brasil é aquela que interessa ao Ocidente político", explica Ualid Rabah, presidente da Fepal
Ana Livia Esteves
Sputnik Brasil
Moscou

Tradução:

Falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre acontecimentos internacionais têm sido alvo de rechaço pela mídia tradicional brasileira, apontando para um descompasso entre a grande imprensa e a política externa lulista.

Durante o mês de abril, declarações de Lula sobre o conflito na Ucrânia foram recebidas com antipatia pelos grandes veículos de comunicação, que transmitiram a oposição da Casa Branca a possíveis negociações de paz.

O mês de maio começou com polêmica similar, desta vez sobre o conflito israelo-palestino. Durante visita à Espanha, Lula lamentou que organizações como a ONU não demonstrassem empenho na criação do Estado Palestino.

“A ONU era tão forte que, em 1948, conseguiu criar o Estado de Israel. Em 2023, não consegue criar o Estado palestino”, disse Lula durante coletiva junto ao presidente da Espanha, Pedro Sánchez, em Madri.

O líder do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e o presidente do Governo da Espanha, Pedro Sánchez (Foto: Ricardo Stuckert)

A declaração do mandatário brasileiro foi criticada por instituições ligadas ao movimento sionista e pela Embaixada de Israel em Brasília. No entanto, para o presidente da Federação Árabe Palestina no Brasil (FEPAL), Ualid Rabah, o mais preocupante foi a cobertura da imprensa brasileira, que propagou uma narrativa única sobre o tema.

“Há um alinhamento absolutamente acrítico […] dos veículos de comunicação no Brasil quando o assunto é o Oriente Médio”, disse Rabah à Sputnik Brasil. “A única verdade ouvida pelos veículos de comunicação no Brasil é aquela que interessa ao Ocidente político”

O presidente da FEPAL lamentou que nenhum jornal se mostrou interessado em veicular a posição da Embaixada da Palestina sobre o assunto, se limitando a veicular a posição da Embaixada de Israel.

"A única verdade ouvida pelos veículos de comunicação no Brasil é aquela que interessa ao Ocidente político", explica Ualid Rabah, presidente da Fepal

Foto: Ricardo Stuckert
Ualid Rabah: "Quando Lula fala em paz parece que irrita os veículos de comunicação"

A imprensa brasileira vem criticando as declarações de Lula, alegando que elas “geram desgaste” com aliados como EUA e União Europeia, considerando-as descuidadas e nocivas ao interesse nacional.

“Os veículos de comunicação não estão preocupados com o que o Lula está dizendo, mas sim com o que o Lula está fazendo”, acredita Rabah, citando a recente assinatura de acordo entre Brasil e China para evitar o uso do dólar no comércio bilateral e a recepção do chanceler russo, Sergei Lavrov, em Brasília, no mês de abril. “O problema não é o que Lula fala, mas o que ele faz.”


Ativismo lulista

Apesar da forte oposição à fala de Lula, ela não representa uma ruptura com a posição tradicional do Brasil, que defende a solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino.

“O que muda é a proatividade de Lula, que se propõe uma solução para a questão, retomando a política externa altiva e ativa dos seus primeiros mandatos”, considerou Rabah. “O Brasil renova o momento proativo para resolver a grande questão ainda não resolvida no âmbito da ONU, que é a questão palestina.”

Segundo ele, a posição brasileira não deve gerar oposição por parte da maioria dos países do mundo, que adotam a mesma postura.

“Só dois países não concordam com a formação do Estado da Palestina como membro da ONU: Israel e os EUA, que impõem o veto”, disse Ualid.

Salão da Assembleia Geral das Nações Unidas (Foto: Paul VanDerWerf/Flickr)

Ele identifica, também, a oposição da mídia brasileira às diversas propostas de paz colocadas pelo governo brasileiro desde a posse de Lula.

“Quando Lula fala sobre a Ucrânia ou sobre a Palestina, ele não fala em guerra, mas sim em paz. As motivações desses conflitos podem, sim, ser seculares. No caso da Ucrânia, pode remontar a 2014 e ao sofrimento da população de Donbass, de fala russa”, disse Rabah. “Mas quando ele fala em paz parece que o presidente irrita os veículos de comunicação.”

A oposição às negociações de paz indica interesse de potências internacionais em prolongar os conflitos internacionais e em “adquirir bilhões de dólares em gastos militares” para destruir a Ucrânia e a Rússia.

“Os veículos de comunicação de massa no Brasil não veem com bons olhos quando o governo se manifesta sobre questões geopolíticas e intranacionais. Há um veto. Quem deveria falar sobre isso é os EUA, e caberia ao Brasil somente se subordinar a isso”, concluiu Rabah.

No dia 26 de abril, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a inação da Organização das Nações Unidas (ONU) em relação à criação de um Estado Palestino, durante coletiva de imprensa ao lado do presidente espanhol, Pedro Sánchez. A declaração gerou repercussão negativa na grande mídia brasileira, entre representantes do governo de Israel e entidades vinculadas ao movimento sionista.

Ana Livia Esteves | Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ana Livia Esteves

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização