Pesquisar
Pesquisar

Grupo de direitos digitais investiga mais de 150 contas palestinas censuradas pelo Facebook em meio à agressão de Israel

A mídia social "não pode se permitir ser usado para silenciar as vozes de jornalistas e comentaristas que levantam questões de direitos humanos"
Redação Monitor Do Oriente Médio
São Paulo (SP)

Tradução:

Um grupo de direitos digitais e várias agências de notícias palestinas enviaram uma reclamação formal ao Facebook na quarta-feira “pela censura arbitrária de conteúdo postado na plataforma por jornalistas e comentaristas palestinos”.

A denúncia, que também foi enviada ao Relator Especial das Nações Unidas sobre Liberdade de Opinião e Expressão, solicita uma revisão urgente e uma explicação para as decisões tomadas pelo Facebook de suspender contas e postagens afiliadas a agências de notícias palestinas e comentaristas.

O grupo de direitos digitais Sada Social tem monitorado a suspensão de conteúdo palestino em contas no Facebook e outras plataformas de mídia social desde 2017. Este ano, o grupo documentou centenas de casos de censura inadequada de conteúdo de mídia social que apoia os direitos dos palestinos nas redes sociais plataformas. Eles estão investigando 159 contas palestinas do Facebook, que parecem ter sido censuradas sem um bom motivo.

A mídia social "não pode se permitir ser usado para silenciar as vozes de jornalistas e comentaristas que levantam questões de direitos humanos"

Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio
O Facebook está censurando a Palestina?

As reclamações ao Facebook foram feitas por Sada Social, Jornal Al-Hadath, Agência de Notícias PalToday, Metras, Mumen Jameel Muhammed Meqdad e Ultra Palestine. Suas queixas incluem que o Facebook violou o direito fundamental à liberdade de expressão e a própria Política Corporativa de Direitos Humanos do Facebook.

Tayab Ali, sócio do escritório de advocacia londrino Bindmans LLP, que representou o grupo, afirmou: “De acordo com a política do próprio Facebook, nossos clientes são definidos como ‘defensores dos direitos humanos’, porque estão levantando questões de direitos humanos sobre o tratamento dos palestinos e a longa ocupação israelense de Palestina. Está claro por que as autoridades israelenses querem interferir no trabalho de nossos clientes, levando as violações dos direitos humanos à atenção do mundo”.

O Facebook não pode se permitir ser usado para silenciar as vozes de jornalistas e comentaristas que levantam questões de direitos humanos, particularmente durante os atuais ataques militares questionáveis contra civis palestinos.

A reclamação pede ao Facebook para revisar seu processo de tomada de decisão e explicar por que as contas foram fechadas, suspensas ou postagens retiradas e se ao fazer isso um algoritmo ou critério humano foi usado.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Monitor Do Oriente Médio

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda