Pesquisar
Pesquisar

Guaranhos, Cenalis e a crueldade do "guarda da esquina" no Brasil de Bolsonaro

Incentivados por falas e ações do presidente, militantes transformam o discurso de ódio em prática e empurram o país ladeira abaixo
Agostinho Vieira
Projeto Colabora
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Há pouco mais de cinquenta anos, no dia 13 de dezembro de 1968, o então presidente Costa e Silva decidiu impor ao país um dos capítulos mais tristes da sua história. O Ato Institucional número 5 (AI-5), entre outras coisas, suspendia por dez anos os direitos políticos de qualquer cidadão, proibia manifestações, censurava previamente jornais, revistas, filmes, músicas e dava ao mandatário o poder de legislar por decretos.

A única voz a se levantar contra as novas regras de exceção foi a do udenista e então vice-presidente Pedro Aleixo: “Presidente, o problema de uma lei assim não é o senhor, nem os que com o senhor governam o país. O problema é o guarda da esquina”, profetizou.

Assista na TV Diálogos do Sul

A advertência de Pedro Aleixo, infelizmente, continua atual como nunca. E, tanto em 1968 quanto em 2022, ela não trata especificamente de guardas e de esquinas. Ela fala sobre o machista, o estuprador, o homofóbico, o preconceituoso, o autoritário, o truculento, o cruel e o desumano que habitam em cada um de nós. São duas as diferenças que separam o dezembro de 1968 do setembro de 2022.

A primeira, óbvia: hoje não temos um AI-5. Não por falta de vontade do presidente da vez ou dos insistentes pedidos feitos em cartazes que sonham com “tradição, família e propriedade”. O que falta são condições políticas, ainda. No lugar do Ato Institucional temos o discurso do ódio, o preconceito e as mentiras espalhadas nos palanques e nas redes sociais: “Vamos fuzilar a petralhada”.

A segunda diferença é que os “guardas da esquina” agora têm nome e endereço. Já tinham antes, é claro, mas o AI-5 e a censura impediam que se tornassem conhecidos. Hoje, o assassino truculento Jorge Jose da Rocha, o assassino cruel Rafael de Oliveira e o empresário desumano Cássio Cenali ganham destaque nos jornais:

Incentivados por falas e ações do presidente, militantes transformam o discurso de ódio em prática e empurram o país ladeira abaixo

Projeto Colabora
Hannah Arendt: “Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança”

Cronologia macabra

Julho de 2022, Foz do Iguaçu – O agente penitenciário Jorge José da Rocha Guaranho invadiu a festa de aniversário de 50 anos do guarda municipal Marcelo Arruda aos gritos de “mito”, ameaçou os presentes e saiu. Voltou mais tarde e matou o aniversariante, que era militante do PT.

Julho de 2022, Brasília – O juiz federal Renato Borelli, que decretou a prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, acusado de corrupção, foi alvo de um ataque. O carro do juiz foi atingido por fezes de animais, ovos e terra quando saia de casa em direção ao trabalho.

Assista na TV Diálogos do Sul

Setembro de 2022, Confresa (a 1.160 km de Cuiabá) – O agricultor Rafael de Oliveira, de 24 anos, confessou ter matado a facadas o colega de trabalho Benedito Cardoso dos Santos, de 44 anos, após uma briga política. Rafael, apoiador do atual presidente, tentou decapitar a vítima e ainda filmou o corpo.

Setembro de 2022, Itapeva, São Paulo – O empresário Cassio Cenali grava um vídeo humilhando e ameaçando a diarista Ilza Ramos Rodrigues: “Ela é Lula. A partir de hoje não tem mais marmita. A senhora peça para o Lula agora, beleza?”

Assista 

Estes não são os únicos casos, certamente. Histórias semelhantes estão acontecendo neste momento em vários pontos do país. Em Goiás, na semana passada, um PM atirou em um fiel da Igreja Congregação Cristã por divergências políticas.

A vítima teria cometido a insanidade de dizer que não achava certo um pastor recomendar que se votasse no candidato A ou B. Também na semana passada, o candidato a deputado federal pelo PSOL Guilherme Boulos foi ameaçado com uma arma enquanto fazia campanha no centro de São Paulo.

Em setembro de 2018, antes das eleições daquele ano, aqui no #Colabora, escrevi um artigo sobre essa mesma história do Pedro Aleixo, do guarda de esquina e dos riscos que ameaçavam o nosso futuro. Passados quatro anos, posso dizer com sinceridade: errei, errei feio.

Tudo foi muito pior do que o meu pavor pré-eleitoral foi capaz de imaginar. Falava sobre aquecimento global, Acordo de Paris, descarbonização da economia, o descaso com a Amazônia. Temas que sequer fizeram parte de qualquer discussão ou debate. Os “guardas da esquina” derrubaram quilômetros de floresta Amazônica sem nenhuma preocupação. Nada aconteceria e nada aconteceu.

Cannabrava | Candidato à reeleição cometeu 32 crimes e segue impune

No texto de 2018, eu perguntava: “Se um candidato se sente no direito de dizer que não vai estuprar uma deputada porque ela não merece, e de chamar um reconhecido torturador de herói, o que esperar do guarda da esquina? Se a Constituição não vale nada, por que respeitá-la?”

Há quem diga que não existe grande diferença entre os candidatos, que muitos são igualmente ruins e radicais, faces de uma mesma moeda. Não é verdade. Há uma linha que não poderia e não deveria ser ultrapassada. Ela foi, e muito. Como diria a filósofa Hannah Arendt: “Vivemos tempos sombrios, onde as piores pessoas perderam o medo e as melhores perderam a esperança”.

Agostinho Vieira | Ser Sustentável | Projeto Colabora 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul




Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Agostinho Vieira

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização