Pesquisar
Pesquisar

Guatemala: Ação brutal da polícia e do Exército reprime migrantes com destino aos EUA

Em concordância com o acordo anti-imigração, o governo da Guatemala decretou em 14 de janeiro “estado de prevenção” em sete departamentos
La Izquierda Diario - México
Esquerda Diário
Cidade do México

Tradução:

Um grupo de milhares de migrantes, em sua maioria hondurenhos, foi reprimido este domingo por agentes da Policia Nacional Civil de Guatemala (PNC) durante seu trajeto com destino aos Estados Unidos. Segundo informações da imprensa local e internacional, a operação contou com a participação do Exército guatemalteco.

Em concordância com o acordo anti-imigração firmado entre os governos do México, Honduras, El Salvador, o governo da Guatemala, encabeçado pelo presidente Alejandro Giametti decretou em 14 de janeiro “estado de prevenção” em sete departamentos. Após a entrada de milhares de migrantes nos dias recentes, o governo lançou um comunicado onde qualificou o avanço da caravana como uma “transgressão a soberania nacional” e pediu aos governos locais a tomar medidas extraordinárias, com a desculpa da contingência sanitária.

Em concordância com o acordo anti-imigração, o governo da Guatemala decretou em 14 de janeiro “estado de prevenção” em sete departamentos

Reprodução
Foram instaladas ao menos 20 postos de controle policial para impedir a passagem de migrantes para o México.

A brutal operação foi registrada pela imprensa que acompanha a caravana e reportou o uso de gás lacrimogêneo e de paus contra homens, mulheres e crianças. Segundo informaram autoridades migratórias guatemaltecas, foram instaladas ao menos 20 postos de controle policial para impedir a passagem de migrantes para o México.

Autoridades da Guatemala informaram que entre quinta-feira(14) e sábado(16) de Janeiro deportaram ao menos mil migrantes hondurenhos, entre os quais se encontravam, segundo o Instituto Guatemalteco de migração, ao menos 163 menores de idade. De acordo com reportagens de meios de comunicação como a Prensa Libre, a caravana, que partiu do norte de Honduras desde 13 de Janeiro com 6 mil migrantes, foi dividida em blocos de 3 mil. 

Se tratam de trabalhadores, homens, mulheres e crianças que fogem da pobreza e da violência que assola a região e cujas condições pioraram a partir da crise sanitária e como consequência dos estragos dos furacões Eta e Lota.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

La Izquierda Diario - México

LEIA tAMBÉM

Yamandú_Orsi_Pepe_Mujica_Uruguai
Esquerda caminha para retomar progressismo no Uruguai após desmonte de Lacalle Pou
Venezuela_pesquisas
Nada, além de pesquisas duvidosas, indica vitória da oposição na Venezuelanezuela
Venezuela_Censura
Mídia brasileira reproduz fake news sobre “censura” a empresas de telecomunicação na Venezuela
Vanessa-Martina-Silva-Maduro (3)
"Banho de sangue": grande mídia mente descaradamente sobre fala de Maduro, diz jornalista na Venezuela