Pesquisar
Pesquisar

Guatemala: em defesa de Arévalo, milhares tomam estradas e exigem renúncia de golpistas

“Fora golpistas” e “Que se vão as máfias”, diziam vários cartazes carregados por manifestantes; 7 das principais vias do país foram bloqueadas
Redação La Jornada

Tradução:

Milhares de camponeses e indígenas mantiveram bloqueadas as principais estradas da Guatemala pelo segundo dia consecutivo de protestos que exigem a renúncia da promotora-geral Consuelo Porras, a quem o presidente eleito, Bernardo Arévalo, acusa de dirigir “um golpe de Estado” para que ele não tome posse no próximo 14 de janeiro.

“Fora golpistas” e “Que se vão as máfias”, diziam vários cartazes carregados por manifestantes convocados pelo Comitê de Desenvolvimento Campesino (CODECA), a maior organização camponesa do país. Segundo a Direção Geral de Proteção e Segurança Viária, houve 14 pontos bloqueados em sete das principais estradas do país.

Na capital, outro grupo de pessoas também bloqueou distintas vias com cartazes, música e consignas para exigir a renúncia de Porras depois que a Promotoria Especial contra a impunidade e os promotores Rafael Curruchiche e Cinthia Monterroso, sob seu mando, iniciaram uma investigação contra o partido de Arévalo, o Movimento Semilla, por supostamente usar assinaturas falsas para sua criação em 2017.

Continua após o banner

Os bloqueios ocorrem um dia depois que Arévalo pediu à Corte Suprema anular um processo iniciado pela Promotoria ao considerar que é um “golpe de Estado” em curso para evitar que tome passe. Sua petição também pretende destituir Porras, o promotor Rafael Curruchiche e o juiz Fredy Orellana por violar a Constituição nesse caso.

Ante a Assembleia Geral da ONU, o presidente que sai da Guatemala declarou que segundo seu critério houve uma “ingerência internacional desnecessária” nas últimas eleições, e defendeu que, embora haja aqueles que pensam que não vai soltar o poder, o entregará a Arévalo em janeiro: “Na Guatemala se cumpre de maneira cabal o princípio da alternância a cada quatro anos”.

La Jornada , especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação La Jornada

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA