Pesquisar
Pesquisar

Guatemala retorna à fase dos anos 80 com um presidente completamente alheio à realidade

Os ataques à imprensa nacional e seus membros não são novidade, mas as reações do atual ocupante do Executivo não deixam dúvidas: ele têm medo
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Atacar a imprensa tem sido uma longa e funesta tradição na Guatemala. Incapazes de enfrentar as críticas e assinalamentos derivados de pesquisas minuciosas de equipes jornalísticas, tanto políticos como empresários no poder atacam com o que têm à mão; ou seja, mediante os corpos policiais, de inteligência e paramilitares que cumprem para eles seus mais sujos encargos.

As agressões à Imprensa nacional e seus membros não são nada de novo, o bom trabalho jornalístico, aquele que não se vende, tem representado uma ameaça constante para a casta política que se erigiu em um círculos de intocáveis, em cujas mãos estão a chave do cofre e algo ainda mais sensível, a capacidade de mudar as regras do jogo mediante um trabalho legislativo clientelista. 

A reação do Executivo nada mais é que uma manifestação explícita do medo que o domina. Vê-se encurralado pelo rechaço da cidadania diante de sua evidente incapacidade para controlar o governo, para coordenar políticas racionais em momentos tão críticos como os atuais e para responder às demandas de um povo  que – a menos de um ano de governo – já compreendeu o imenso erro cometido ao escolher um títere do empresariado e cúmplice de um exército repressor.

A Guatemala volta ao cenário dos anos 80 com um presidente completamente alheio à realidade, transformado em inimigo declarado da democracia.

Os ataques à imprensa nacional e seus membros não são novidade, mas as reações do atual ocupante do Executivo não deixam dúvidas: ele têm medo

Barrancópolis
O que hoje vive a Guatemala é um evidente retrocesso para as ditaduras do século passado.

A recente captura do jornalista Sonny Figueroa é uma piada pronta. Em parceria com seu colega Marvin del Cid, publicou uma exaustiva pesquisa sobre o aparelho administrativo supra ministerial que ilegitimamente (e provavelmente também fora do marco legal) tomou o controle das ações do Executivo sob o comando de um jovem protegido do mandatário.

Um forte financiamento cobre os caprichos deste Centro de Governo cujo propósito mais evidente é blindar-se contra qualquer tentativa de fiscalização. Portanto, as pesquisas e publicações de Figueroa e Del Cid lhe ocasionaram uma coceira que só poderia se acalmar com uma perseguição aberta e descarada.

No entanto, o tiro saiu pela culatra para o presidente e seu protegido por causa da torpeza de sua reação e só conseguiu provocar um imediato e forte protesto da associação dos jornalistas e de numerosos membros da sociedade civil.

O que hoje vive a Guatemala é um evidente retrocesso para as ditaduras do século passado e isso pode ser observado a cada dia nas medidas desesperadas e erráticas do mandatário, o qual para dar um impressão de autoridade – da qual carece – tem recorrido a táticas contrárias ao marco democrático.

Ansioso por derrubar obstáculos às suas ambições ditatoriais tem dado golpes dissimulados à institucionalidade e, é claro, ao direito à liberdade de imprensa, o maior dos avatares para qualquer ditador improvisado. 

É imperativo sublinhar que sem uma imprensa independente, um país cai indefectivelmente em um estado de tirania e no colapso do estado de Direito.

O exercício do jornalismo é, portanto, um baluarte das liberdades e faculdades das maiorias, já que a livre expressão não é só privilégio da imprensa, mas sim um direito inalienável do povo a conhecer em detalhes as decisões e os atos de seus governantes para, desse modo, exercer um dos princípios fundamentais da democracia: a fiscalização do uso dos recursos nacionais e a rota correta das políticas públicas, com o objetivo de garantir a observância e a pertinência no exercício do poder.

Por isso e muito mais, temem tanto uma imprensa que não se deixa amedrontar. 

Quando o medo se instala, o primeiro que se nubla é a razão.

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia