Pesquisar
Pesquisar

Guedes será convocado pela CPI do Genocídio? Parlamentares da oposição consideram “indispensável” presença do economista

Integrante da CPI, o senador Humberto Costa (PT), avalia que a gestão econômica da pandemia tem sido um desastre
Altamiro Borges
Blog do Miro
São Paulo (SP)

Tradução:

O abutre rentista Paulo Guedes, que desembestou a falar besteiras nos últimos dias, deverá ser chamado em breve a depor na CPI do Genocídio

Segundo informa o site Congresso em Foco, “os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Humberto Costa (PT-PE) apresentaram os requerimentos de convocação do ministro da Economia”.

Os parlamentares da oposição consideram indispensável a presença do bravateiro incompetente e desumano para que explique sobre a gestão econômica da pandemia da Covid-19, como o atraso na concessão do auxílio emergencial, e sobre a falta de recursos no orçamento para o enfrentamento da grave crise neste ano.

Integrante da CPI, o senador Humberto Costa (PT), avalia que a gestão econômica da pandemia tem sido um desastre

Agência Brasil
O ministro da Economia, Paulo Guedes

A gestão econômica desastrosa da pandemia

Segundo o site, “os pedidos devem ser analisados pela CPI na próxima leva de requerimentos. Na semana que vem serão ouvidos os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, o atual titular, Marcelo Queiroga, e o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres”.

“Ante a negligência do governo federal no que se refere à previsão dos recursos orçamentários para o enfrentamento à pandemia no PLOA-2021, com consequências sanitárias, sociais e econômicas desastrosas, é fundamental que esta Comissão possa ouvir o ministro Paulo Guedes, tendo em vista o papel do Ministério da Economia na coordenação da elaboração do orçamento público”, argumentou Humberto Costa na justificativa do seu requerimento.

Leia também
CPI da Pandemia: Governo Bolsonaro negligenciou, omitiu e patrocinou catástrofe que estamos vivenciando

Para o senador, a gestão econômica da pandemia tem sido um desastre. Ele alerta que o projeto de orçamento de 2021 foi elaborado prevendo-se uma diminuição de 8% dos gastos do governo em relação ao ano anterior.

“A redução de despesas implicou a extinção do auxílio emergencial entre janeiro e março de 2021, agravando a pobreza e reduzindo o consumo das famílias em um contexto de elevado desemprego, o que deve levar a uma retração do PIB”.

Governo não reservou recursos

Humberto Costa, que foi ministro da Saúde no governo Lula, lembra ainda que o projeto de lei orçamentária (PLOA) não destinou qualquer recurso para o combate à Covid-19.

Mesmo com recrudescimento da pandemia, só houve os repasses da Saúde aos entes para enfrentamento ao coronavírus em abril de 2021, com recursos oriundos de medida provisória”.

Como lembra o site Congresso em Foco, no ano passado o orçamento do governo federal estabeleceu gasto de R$ 604,7 bilhões para conter o avanço da Covid-19 e mitigar os efeitos da pandemia na economia. Desse valor, no entanto, R$ 80 bilhões não foram usados. Cerca de R$ 37,5 bilhões desse montante poderão ser usados este ano.

Do mesmo autor
CPI da Covid-19 pode inaugurar pior crise política do desgoverno de Jair Bolsonaro

Em relatório que será examinado pela CPI, o Tribunal de Contas da União (TCU) indica que o governo não reservou dinheiro para o Ministério da Saúde combater a pandemia do coronavírus e, até o mês de março, não tinha realizado qualquer repasse para estados e municípios lidarem com a crise sanitária.

Ministro tem culpa nas mortes e no caos econômico

Em entrevista à Rede Brasil Atual, o economista João Sicsú, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), considera fundamental que Paulo Guedes seja “convocado” – e não convidado – para dar explicações.

Para ele, o ministro adorador das teses ultra neoliberais é responsável pela explosão de mortes no país e pelo desastre na economia.

Entre outros pontos, João Sicsú aponta duas questões que seriam decisivas no combate ao vírus.

“A liberação de recursos direcionados à saúde e também para investimento econômico e social, como auxílio emergencial. Quanto maior o valor e quanto mais prolongado for o benefício, mais as pessoas ficam recolhidas e há menos contaminação e menor ocupação dos hospitais”.

Altamiro Borges é jornalista e editor do Blog do Miro.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Altamiro Borges

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização