Pesquisar
Pesquisar

Guerra dos chips: China dá ‘golpe devastador’ nos EUA ao proibir exportação de terras raras

"Não sei bem por que é que estes países pensaram que podiam atacar a China e depois não serem atingidos", afirma especialista Thomas W. Pauken II
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Moscou

Tradução:

A China impôs restrições à exportação de duas matérias-primas estratégicas, o gálio e o germânio, que são cruciais para a indústria mundial de fabricação de chips eletrônicos.

A grande imprensa dos EUA chamou a decisão de Pequim de “segunda contramedida” no desenrolar do confronto tecnológico sino-americano, que veio após a República Popular da China impor sanções em maio contra a empresa fabricante de chips dos EUA Micron Technology.

As restrições chinesas são uma resposta à estratégia não muito bem pensada do Ocidente de limitar os laços econômicos com o gigante asiático, disse à Sputnik o consultor em assuntos da Ásia-Pacífico Thomas W. Pauken II, autor do livro “EUA vs. China: Da Guerra Comercial ao Acordo Recíproco” (“EUA vs. China: From Trade War to Reciprocal Deal”, em inglês).

Assista na TV Diálogos do Sul

Em outubro passado, a administração Biden anunciou um conjunto de controles de exportação sem precedentes que impediram as empresas chinesas de comprar chips avançados onde quer que seja desde que usassem tecnologia dos EUA, o que também abrangeu equipamentos de fabricação de chips.

Na época, a mídia dos EUA observou que tal passo de Washington frustraria “as ambições tecnológicas da China”, gabando-se de que a indústria global de semicondutores era “quase inteiramente” dependente dos EUA e de seus aliados. Agora, os jornais norte-americanos reconhecem que a China jogou “um trunfo na guerra dos chips“.

Continua após o banner

“Achei bastante risível que [a administração Biden] realmente pensasse que os americanos ganhariam esta guerra tecnológica“, observou Pauken. “Você não tem acesso aos minérios de terras raras, [então] não tem acesso às cadeias de suprimentos a fim de produzir esses eletrônicos – você está totalmente destruído, está devastado, os EUA sabiam disso. Eles sabiam o quanto dependiam das terras raras. Eles sabiam o quanto tinham que confiar na China para sustentar suas fábricas. Ora, em vez de tentar encontrar maneiras de cooperar, eles simplesmente decidiram ir em frente e simplesmente fazer esses ataques desagradáveis e terríveis contra a China e, de alguma forma, pensar que eles vão marcar uma vitória aqui”, observou o especialista.

"Não sei bem por que é que estes países pensaram que podiam atacar a China e depois não serem atingidos", afirma especialista Thomas W. Pauken II

Sputnik News
Dado que 94% do gálio do mundo e 83% do germânio é produzido na China, os EUA podem enfrentar uma série de problemas

Hegemonia

A China possui 63% da mineração de terras raras do mundo, 85% do processamento e 92% da produção de ímãs. De acordo com um estudo do Serviço Geológico dos Estados Unidos, entre 2017 e 2020, 78% dos metais de terras raras importados pelos EUA eram provenientes da China, 6% eram da Estônia, 5% da Malásia e 4% do Japão.

Dado que 94% do gálio do mundo e 83% do germânio é produzido na China, os EUA podem enfrentar uma série de problemas na sequência da proibição das exportações de Pequim, aponta Pauken.

Continua após o banner

“É preciso entender que muitos dos eletrônicos são produzidos e precisam desses materiais; sem esses metais, eles não podem fazer absolutamente nada. Este é um golpe absolutamente devastador para os mercados dos EUA. E, obviamente, se eles querem continuar esta política de desvinculação da China, isso só vai atingi-los mais e mais. Não sei bem por que é que estes países pensaram que podiam atacar a China e depois não serem atingidos. Esta é a reciprocidade básica”, disse o interlocutor da agência.

De acordo com Pauken, os especialistas de Biden para a China não entendem e subestimam as capacidades de Pequim de suportar a pressão e sair por cima.

Redação Sputnik News


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação