Pesquisar
Pesquisar

Guerra invisível: dois terços das famílias deslocadas no Iêmen não têm renda, diz Unicef

Famílias deslocadas não apenas vivem em condições precárias, mas também sofrem com a escassez aguda de serviços para atender necessidades básicas
Redação Monitor Do Oriente Médio
Monitor Do Oriente Médio
São Paulo (SP)

Tradução:

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) anunciou, na quinta-feira (03), que cerca de dois terços das famílias deslocadas no Iêmen não têm nenhuma fonte de renda.

“O conflito no Iêmen fez com que muitos cidadãos fugissem de suas casas para locais de deslocamento em busca de segurança”, disse o órgão da ONU em seu site. 

A Unicef observou que as famílias deslocadas não apenas vivem em condições precárias, mas também sofrem com a escassez aguda de serviços para atender às suas necessidades básicas.

Famílias deslocadas não apenas vivem em condições precárias, mas também sofrem com a escassez aguda de serviços para atender necessidades básicas

Flickr
Refugiados iemenitas fujiram para campos em Taiz, Iêmen

“Sessenta e quatro por cento das famílias deslocadas internamente não têm fontes de renda. Como resultado, duas em cada três famílias deslocadas internamente recorrem a mecanismos negativos de sobrevivência para sobreviver”, explicou a Unicef, citando uma avaliação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR, na sigla em inglês). “Isso inclui pular refeições, tirar os filhos da escola ou negligenciar a saúde. Eles podem acabar mendigando na rua.”

Em 20 de janeiro, a ONU anunciou que o número de pessoas deslocadas pelo conflito no Iêmen havia subido para 4,2 milhões. O governo iemenita apelou à ONU e a outras organizações internacionais para fornecer ajuda às pessoas deslocadas que enfrentam condições humanitárias extremamente difíceis.

Segundo a ONU, até o final de 2021, a guerra no Iêmen matou 377.000 pessoas e deixou a maior parte da população de 30 milhões dependente de ajuda humanitária.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Monitor Do Oriente Médio

LEIA tAMBÉM

Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil