Pesquisar
Pesquisar

Há 62 anos, América Latina sobe ao púlpito da ONU para denunciar os crimes do Império

Em 1960, região deixaria de ser celeiro passivo de expropriação de riquezas para afirmar luta por independência e soberania
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Por decisão das autoridades das Nações Unidas, os primeiros dias da 77º Assembleia Geral desenvolvida em Nova York tiveram como expositores os mandatários da América Latina. Chefes de Estado e de governo dos outros continentes, representantes especiais e observadores internacionais tiveram não só a ocasião de se familiarizar mais com o idioma castelhano, mas também tomar o pulso a um continente que marca a história no mundo de nosso tempo.

Claro que isto não ocorre pela primeira vez. Memorável foi a intervenção de Fidel Castro nesse mesmo cenário em 1960 – sua primeira apresentação ali – quando despertou a paixão de multidões ao mesmo tempo que a ira do Império. Igualmente o discurso de Salvador Allende, que chamou a atenção do mundo aludindo à esperança de seu povo, denunciando a barbárie que se avizinhava em sua pátria e que se cumpriria pouco depois.

Também a brava exposição de Hugo Chávez, que começou sua intervenção fumigando o pódio que pouco antes havia ocupado por – ele o disse – Satanás, aludindo ao Mandatário do Império. 

Cada uma dessas intervenções mostrou um fato inelutável: a partir de janeiro de 1960, o continente situado ao sul do Rio Bravo havia deixado de ser o passivo celeiro no qual se depositavam as riquezas que haviam de levar as grandes corporações, e havia se convertido em um verdadeiro campo de batalha no qual novos governos, e povos inteiros, afirmavam a luta pela independência e pela soberania de seus Estados.

Aos algozes da esquerda na América Latina: ideias não se encarceram, nem se matam

Já o Império, nessa época, estava na defensiva. E isso, agora é mais notável. O novo continente, esse de José Gabriel Túpac Amaru, de San Martín e Bolívar, de José Martí e de Sandino, de José Carlos Mariátegui e outros, já havia dado um alto qualitativo que hoje se afirma. Pela rota dos Libertadores transitam agora os povos de nosso tempo. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Isso explica o grito de Nayib Bukele, o mandatário salvadorense, que transmitiu o desgarro do menor país do continente, condenado ao esquecimento e ao ostracismo apesar de haver regado a terra com o sangue generoso de seu povo. 

A formidável palavra de Gustavo Petro, o mandatário colombiano, que bofeteou o Império mostrando o fracasso total de sua política antidrogas, defendeu a Amazônia e desnudou o papel sinistro do capital. 

O verbo cadencioso e acadêmico de Gabriel Boric, que afirmou a necessidade de construir um Chile democrático no qual se respeitem as ideias e as pessoas, e se avance forjando níveis de dignidade e de justiça. E a firmeza de Denis Moncada, o porta-voz da Nicarágua Sandinista. 

Da Pampa Argentina chegou a palavra de Alberto Fernández, demandando a devolução das Malvinas, em mãos do Império Britânico, e exigindo equidade e justiça no tratamento internacional para não permitir que as dívidas e os compromissos financeiros contraídos no neoliberalismo afoguem os povos.

E do Altiplano, o boliviano Luis Arce anunciou ao mundo que eles mesmos explorariam o lítio e que não permitiriam mais o império da insensatez nem o mandato das armas.

Em 1960, região deixaria de ser celeiro passivo de expropriação de riquezas para afirmar luta por independência e soberania

Antonio Marín Segovia – Flickr

Em 1960, em sua primeira vez na ONU, Fidel Castro espertou a paixão de multidões ao mesmo tempo que a ira do Império

Um marco nas exposições foi marcado por Bruno Rodríguez que, por Cuba, falou em nome de um povo que “tem pagado um alto preço por defender o legítimo direito a existir como nação soberana e independente”. Durante mais de 6 décadas, disse, “temos resistido a um desapiedado e unilateral bloqueio recrudescido no extremo a níveis sem precedentes”.  

Logo, a Assembleia Geral da ONU, com o voto do Peru, condenará uma vez mais esse injusto garrote que simboliza a barbárie.

Cargas de profundidade: a tática do Império para arruinar democracias na América Latina

Foi este o contexto no qual se escutou a palavra de Pedro Castillo, o professor rural que teve, pela primeira vez, a ocasião de falar diante de mais de três milhões de pessoas de todos os continentes e países. Falou da guerra e da paz, e marcou a injustiça e a impotência que ela registrava. Porém, se calou diante da política belicista e dos planos guerreiros da Otan, alentados por Washington e pela União Europeia.

A locução do mandatário peruano teve méritos.  Condenou as sanções contra alguns países à margem da ONU. Foi o modo de rechaçar as ações norte-americanas contra a Rússia, mas também contra Cuba, Venezuela e Nicarágua. Porém, devia ser mais preciso e deter-se no caso específico da maior das Antilhas, submetida a um bloqueio genocida, do mesmo modo como expressou seu respaldo à Palestina, e à causa Saharaui.

Pedro Castillo leu uma parte de seu discurso, aquela que aludia ao cenário mundial; mas falou sem papel, explicando à viva voz a crise política pela qual atravessa o Peru. E ali foi mais preciso: condenou as cantadas tentativas de golpe de Estado, que não somente não cessam, mas crescem à luz do ódio venenoso da classe dominante que não oculta seu desprezo, seu racismo e sua vileza.

Foram curiosas as reações que teve o discurso aqui. Enquanto Castillo se esforçou para alentar o investimento estrangeiro assegurando-lhe garantia e benefícios, Mavila Huertas acudiu ao sarcasmo, para dizer que era mentira.

Enquanto o mandatário peruano estendeu a mão aos seus opositores, eles, no parlamento, censuraram seus ministros e estimularam Lady Camones – dotando-a de postos chave na subcomissão de Acusações Constitucionais e na Comissão de Constituição, para que “apurasse” os projetos destinados a “depor” o Presidente – e iniciaram um debate para “rebaixar” o número de votos requeridos para livrar-se dele. 

Em suma, o golpismo em ação, alentado pela troca de mando no Legislativo, onde aparece um general disposto a cobrir seu corpo com a faixa presidencial.

Gustavo Espinoza M., colaborador da Diálogos do Sul em Lima, Peru.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA