Pesquisar
Pesquisar

Heinrich Schliemann, a descoberta de Troia e a sovinice de D. Pedro II

Schliemann dedicou ao imperador brasileiro sua pormenorizada e ilustrada narrativa de pesquisas e descobertas em Micenas e Troia, publicada em 1878
Carlos Russo Jr
Diálogos do Sul
Florianópolis (SC)

Tradução:

O dia 6 de dezembro de 1876 amanheceu com uma grande novidade que não tardou a percorrer o mundo: Heinrich Schliemann anunciava a descoberta arqueológica de túmulos reais nas escavações de Micenas, cidade grega cujo apogeu reportava ao século oitavo ou nono antes de Cristo. Em telegrama enviado ao rei grego e pela imprensa divulgado, ele dizia: 

“É com extraordinária alegria que anuncio a Vossa Majestade a descoberta de túmulos, que a tradição assinala como sendo os de Agamemnon, de CassandraEurimedon e seus companheiros, trucidados por Clitemnestra e seu amante Egisto durante um banquete”.

Carlos Russo: O eterno fascismo, uma visão arquetípica de Umberto Eco

O anúncio era complementado com a relação impressionante do tesouro arqueológico encontrado, onde o grande destaque era a máscara mortuária em ouro, daquele corpo mumificado, que o precipitado Schliemann anunciava como o homem que comandara a expedição grega contra a cidade de Troia.

Finalmente, era revelada ao mundo a face do comandante de Aquiles e irmão do Menelau, Agamemnon.

Continua após o banner

Essa notícia motivou homens cultos a realizarem uma peregrinação até a Argólida grega, a Micenas, “a cidade das muralhas ciclópicas”, conhecida tanto nas obras de Homero quanto nas tragédias gregas, como o reino dos Atreus.

E Dom Pedro II, Imperador do Brasil, logo fez parte do primeiro time de visitantes.

Schliemann dedicou ao imperador brasileiro sua pormenorizada e ilustrada narrativa de pesquisas e descobertas em Micenas e Troia, publicada em 1878

Wikipedia
Máscara de Agamêmnon, o comandante grego que comandou a destruição troiana

Heinrich Schliemann, uma espécie de “Rei Midas”.

Mas quem era Schliemann, esse homem que se comunicava diretamente com reis e presidentes?

Ele era uma mescla de visionário, aventureiro e irmão gêmeo da estrela da boa sorte. Tal qual o Midas lendário, tudo em que tocava transformava-se em tesouro. Alemão de nascimento, era filho de um pastor empobrecido, mestre-escola apaixonado pela cultura grega que lhe deu como cartilha das primeiras letras a “Ilíada” de Homero e, posteriormente, as tragédias e comédias gregas.

Assista na TV Diálogos do Sul

Isso formatou no jovem o sonho que ele um dia realizaria: a busca de tesouros arqueológicos baseada em citações de poetas e em obras literárias, mais que em qualquer outra fonte de conhecimento.

O rapaz pobre possuía uma enorme facilidade para a aprendizagem de idiomas, tendo desenvolvido habilidades em pelo menos dez línguas antes dos 30 anos.

Foi essa habilidade, aliada à sua enorme capacidade de negócios e a seu gênero aventureiro “a la Ulysses”, que lhe permitiu abrir o comércio com países do Oriente e do Ocidente, conversando sempre na língua própria dos interlocutores; participou, inclusive, da “ febre do ouro californiano”, onde encontrou um filão e retornou ainda mais rico para a Alemanha.

Quando completou 42 anos, Schliemann decidiu interromper sua carreira comercial; desposou uma linda grega, Sofia, vinte anos mais jovem, geóloga recém-formada e dedicou-se ao sonho de sua vida: encontrar as ruínas da cidade de Troia, saqueada e destruída pelos argivos comandados por Agamemnon e Aquiles.

A descoberta de Troia!

Tomando como “bíblia” tão somente escritos antigos, como a “Odisseia” e a “Ilíada”, em 1870 inicia as escavações que, contrariando todas as previsões dos cientistas, trariam à luz do dia a cidade de Troia, aquela mesma cidade da Ásia Menor, e que, por muitos, era tida tão somente como fruto da imaginação de um poeta.

No mesmo sítio das ruínas da Troia de Príamo, outras quatro civilizações mais antigas foram por ele também encontradas. Como fruto das escavações, um enorme tesouro em ouro, joias e artefatos de uso cotidiano do passado foi descoberto. Justamente o explorador alemão que estava disposto a empregar toda sua fortuna para descobrir Troia, tornava-se assim, ainda mais rico e muito mais famoso.

Continua após o banner

Mas tocado pelo espírito de Minos, a vontade de novas descobertas e riquezas não permitiu ao alemão o merecido descanso, após tão importante conquista.

Pois muito bem, descoberta Troia, tendo unicamente por referência a Ilíada de Homero, Schliemann decidiu explorar, na Grécia continental, a cidade da qual Agamemnon, o comandante grego, havia partido para comandar a destruição troiana, e onde, ao regressar da guerra, fora assassinado pela esposa Clitemnestra e seu amante, Egisto.

As escavações em Micenas e a Máscara Mortuária

E ele iniciará as escavações de Micenas, ocupando mais de 125 operários, em princípios de 1876.

Talvez jamais tenha havido pessoas tão predestinadas quanto Schliemann. Em breve o mundo iria se maravilhar com as notícias de seus achados. As riquezas arqueológicas se sucedem: são vasos pintados, ânforas, pedras preciosas, fragmentos de frisos, ídolos de terracota, formas para fundição de ourivesaria.

Finalmente, a descoberta de túmulos pertencentes a antigos reis.

Continua após o banner

E o aventureiro anuncia ao mundo, conduzido exclusivamente pelos escritos de Píndaro e dos poetas trágicos, a descoberta como sendo a dos jazigos de Agamemnon, de Cassandra e seus acompanhantes.

Ele nunca teve a menor dúvida sobre a veracidade de seu achado; mas pouco importa que a ciência, posteriormente, tenha provado que os restos mortais descobertos pertencessem a reis mortos pelo menos quatrocentos anos antes da existência de Agamemnon e de seus parceiros de ventura.

Afinal, se Troia surgira para o mundo através de suas mãos, por que não o comandante de seus destruidores?

As grandes notícias se espalham e os homens cultos planejam suas visitas para conhecerem pessoalmente os restos mortais tão ilustres e a cidade que, no seu tempo, liderara todos os gregos na luta contra Troia.

A sovinice do Imperador do Brasil

É então que chegamos ao dia em que Dom Pedro II, o Imperador do Brasil, realiza a sua visita.

Seus olhos se enchem com os diademas, folhas de louro, maravilhosos ornamentos em ouro e pedras preciosas descobertos nos jazigos encontrados.

Apresentam-lhe um peitoral e uma máscara mortuária confeccionada cuidadosamente em ouro vinte e dois, como sendo a de Agamemnon.

Continua após o banner

Como ser humano, ele se extasia com o achado, mas no seu íntimo, graças à sua cultura, não está convencido de estar realmente frente à máscara mortuária de Agamemnon. Onde estavam as provas científicas?

Enfim, para o Imperador do Brasil, talvez Schliemann estivesse forçando um pouco a História, quiçá desejando que a vida se comportasse como um reflexo da arte.

De todos os modos, demora-se um bocado em sua visita, distrai-se em seus pensamentos e suas dúvidas.

O pobre chefe de polícia!

Qual teria sido o motivo de haver dado ao chefe de polícia grego, de nome Leonardos, uma gorjeta de tão somente quarenta francos, para quem o ciceroneara por quase dois dias inteiros? Uma quantia que era absolutamente ridícula para um Imperador, pedindo ainda ao policial “que a repartisse entre seus colegas”?

Ou a quantia ridícula expressaria uma pura e inconfessável sovinice dos Bourbons?

Continua após o banner

Ora, a gorjeta ridícula em seu valor real, adquiriu aos olhos dos auxiliares do pobre Leonardos valores astronômicos, algo superior a mil francos.

Primeiramente queriam que o chefe partilhasse uma gorjeta principesca com eles. Com sua recusa, ameaçaram o chefe com delação, pois tal recompensa financeira deveria estar ligada a algum favor prestado ao colecionador de antiguidades, Dom Pedro II.

Criado o impasse, os policiais subalternos fizeram chegar aos superiores a história de uma gorjeta de mais de mil francos.

Como resultado, Leonardos foi demitido e somente não foi levado à prisão por interferência de Schliemann, que nele muito confiava.

Imediatamente Schliemann escreve diretamente ao Imperador brasileiro para que esclareça a situação. Envia-lhe um telegrama com o seguinte teor:

“Por ocasião de sua partida de Nauplia, Vossa Majestade deu ao comandante de polícia Leonardos uma quantia simbólica de quarenta francos. O prefeito da cidade, baseado nos dizeres de caluniadores, afirma haver ele recebido mil francos de Vossa Majestade. Leonardos foi destituído do posto e só com muita dificuldade eu consegui livrá-lo da prisão. Visto conhecê-lo há muitos anos como o mais honesto dos homens peço, em nome da sagrada verdade e da humanidade, que o senhor se digne a telegrafar-me dizendo se Leonardos recebeu quarenta francos ou mais. ”

E o Imperador do Brasil responde a Schliemann esclarecendo publicamente a verdade.

O policial, homem de confiança do sonhador Schliemann, é salvo.

Em respeito e reconhecimento, Heinrich Schliemann dedicou ao imperador brasileiro sua pormenorizada e ilustrada narrativa de pesquisas e descobertas em Micenas e Troia, publicada em 1878, e provavelmente destruída no incêndio do Museu Nacional, antigo Palacete São Cristóvão.

Retornando à história, a fama de sovina de Dom Pedro II se tornou proverbial em todas as cortes europeias.

Referências:

  1. Bispo, A.A.”O Brasil na história da Arqueologia. Heinrich Schliemann (1822-1890) e Dom Pedro II (1825-1891)em Micenas em 1876 segundo a obra Mycenae a ele dedicada“.
  2. Zweig, S. A Máscara de Agamemnon.

Carlos  Russo Junior | Colunista na Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa