Pesquisar
Pesquisar

Honduras: empresário é condenado por autoria intelectual do assassinato da líder indígena Berta Cáceres; relembre o caso

Condenação significa que "estruturas de poder não conseguiram corromper o sistema de justiça, e que a estrutura criminosa da família Átala Zablah não alcançou seus objetivos", afirmou Zúñiga, filha de Cáceres
Victoria Korn
CLAE / Centro Latino-Americano de Análise Estratégica
Caracas

Tradução:

O empresário e ex-integrante da inteligência militar hondurenha Roberto Castillo Mejía, presidente executivo da empresa hidrelétrica Desarrollos Energéticos Sociedad Anónima (DESA), concessionária da represa hidrelétrica Agua Zarca sobre o rio Gualcarque, foi declarado culpado de ser o autor intelectual do assassinato da líder ambientalista e indígena Berta Cáceres em 2 de março de 2016, e será informado sobre a pena de prisão em 3 de agosto próximo.

O veredito do Tribunal de Sentença, que decidiu por unanimidade declarar Castillo culpado, é “uma vitória dos povos do mundo que acompanharam este processo, da comunidade solidária e dos direitos humanos”, disse Bertha Zúñiga, uma das filhas da ambientalista.

A condenação significa que “as estruturas de poder não conseguiram neste caso corromper o sistema de justiça, e que a estrutura criminosa da família Átala Zablah, da qual é instrumento o condenado David Castillo, não alcançou seus objetivos”, afirmou Zúñiga ao ler um comunicado do Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (Copinh), organização do povo indígena Lenca.

A sentença determina que a concessão do projeto hidrelétrico Agua Zarca deve ser revogada porque está vinculada a estes atos de violência.

Esta sentença é o início ou o prolongamento da demanda de justiça integral que deve alcançar todos os autores intelectuais do crime, isto é, a família Atala Zablah, proprietária da DESA, disse Víctor Fernández, advogado acusador privado, que destacou que os responsáveis pela execução do assassinato de Berta Cáceres são os executivos da DESA.

O empresário poderá receber uma condenação de 20 a 30 anos de prisão, de acordo com fontes judiciais, embora o tribunal ainda vá definir a pena, algo que ocorrerá em princípios de agosto; e a defesa ainda pode solicitar a impugnação da sentença. O Tribunal de Sentença com Jurisdição Nacional declarou, por unanimidade, que Castillo foi o autor intelectual do assassinato.

Leia também

Indignação pelo assassinato de Berta Cáceres

Durante o julgamento, a intervenção e escutas telefônicas foram uma das peças-chave do Ministério Público para demonstrar a culpabilidade de Castillo na morte da reconhecida ambientalista. A procuradoria afirmou que se trata de “uma sentença histórica de culpabilidade de processo oral e público” e que a causa continua aberta.

O processo durou cinco semanas, tendo sido apresentadas mais de cem provas, entre testemunhais e científicas, que demonstraram a participação dos sete imputados antes, durante e depois do assassinato. Também foi processado o investigador Juan Carlos Cruz e o ex policial Miguel Rosales por apresentação de provas falsas tentando desviar o caso durante as primeiras pesquisas sobre o assassinato da ambientalista.

Condenação significa que "estruturas de poder não conseguiram corromper o sistema de justiça, e que a estrutura criminosa da família Átala Zablah não alcançou seus objetivos", afirmou Zúñiga, filha de Cáceres

CLAE
Berta Cáceres foi assassinada em 2 de março de 2016

O crime

Castillo Mejía, presidente executivo da DESA, que tocava a construção de uma represa em território da etnia Lenca, foi detido em 2 de março de 2018, e seu julgamento começou em agosto de 2020.

A DESA era a executora do projeto Agua Zarca, ao qual Cáceres se opunha e, segundo a procuradoria, isso foi o que detonou o assassinato da ambientalista e líder do Copinh.

A procuradoria argumentou que Castillo Mejía forneceu logística e recursos e se articulou com os demais condenados para assassinar a dirigente ambientalista.

Cáceres foi assassinada a tiros em 3 de março de 2016 em sua casa de La Esperanza, depois de passar anos recebendo ameaças de morte por sua campanha para paralisar a construção da represa de Agua Zarca, infraestrutura que, se fosse construída, destruiria matas e territórios indígenas.

No ataque ficou ferido um amigo da ambientalista, o ativista mexicano Gustavo Castro Soto.

Em 2018 foram condenados por sua participação Sergio Ramón Rodríguez Orellana, gerente da área social da DESA; Douglas Geovanny Bustillo, ex chefe de segurança da empresa e Mariano Díaz Chávez, membro do Primeiro Batalhão de Inteligência (2015) e Major das Forças Armadas até ser detido. E mais Edilson Atilio Duarte Meza, Óscar Aroldo Torres Velásquez e Elvin Heriberto Rápalo Orellana, os assassinos.

Henrry Javier Hernández, segundo as investigações, foi a pessoa que reconheceu a casa de Cáceres e dirigiu os atiradores para cometerem o crime.

O homicídio provocou uma onda de protestos e foi condenado pela Organização das Nações Unidas, a Organização de Estados Americanos e pelo Greenpeace, entre outras organizações. A professora de 43 anos, vencedora do prêmio Goldman, máximo galardão em matéria de meio ambiente, passou a engrossar assim a longa lista de ativistas assassinados em Honduras, cenário habitual de mobilizações indígenas e camponesas em defesa de suas terras frente a megaprojetos.

Pelo assassinato foram condenados em 2018 sete autores materiais – entre eles um ex militar – que receberam penas de até 50 anos de prisão. Houve apelação e a sentença deve ser analisada pela Sala do Constitucional, que determinará se é anulada ou ficará como está.

Uma vitória popular

Por isso, sua família e o Copinh exigiram o cancelamento “imediato” da licença de construção “sobre o sagrado rio Gualcarque” e que sejam processadas todas as pessoas envolvidas em “sua ilegal e corrupta concessão”. Exigem, ainda, o desmantelamento de «redes criminosas que atualmente persistem e que atuaram durante o processo para promover a impunidade”.

O COPINH indicou que a sentença condenatória emitida pelo tribunal significa que as estruturas de poder não conseguiram, neste caso, corromper o sistema de justiça, e que a estrutura criminosa da família Atala Zablah, da qual é instrumento o condenado David Castillo Mejía, não logrou seus objetivos.

Acrescenta que a causa não termina com esta resolução, mas se encaminha firmemente para levar à justiça os autores intelectuais deste crime, Daniel Atala Midence, José Eduardo Atala, Pedro Atala e Jacobo Atala assim como as demais pessoas e instituições envolvidas. Exige ainda o cancelamento imediato da concessão sobre o rio Gualcarque e que sejam processados todos os envolvidos neste ato ilegal e corrupto. 

No acampamento feminista Viva Berta na cidade de Tegucigalpa, retomam as palavras de Berta Cáceres, e reiteram “que a justiça é forjada pelos povos a partir de nosso trabalho cotidiano, com a defesa de nossos territórios, a realização de nossos projetos de vida e a luta constante contra as desigualdades e injustiças”.

Victoria Korn, Jornalista venezuelana, analista de temas da América Central e Caribe,  associada ao Centro Latino-americano de Análise Estratégica (CLAE, www.estrategia.la)

Tradução de Ana Corbisier, para a Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Victoria Korn

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos