Pesquisar
Pesquisar
Foto: Congresso Nacional da China

Hong Kong aprova nova lei de Segurança Nacional contra espionagem ocidental

Autoridades da China e de Hong Kong argumentaram que as novas leis são necessárias para "tapar lacunas jurídicas" e "restaurar a estabilidade"
Daniel González Delgadillo
La Jornada
Pequim

Tradução:

Beatriz Cannabrava

O Conselho Legislativo de Hong Kong aprovou, nesta terça (19) e por unanimidade, uma nova lei de segurança nacional, onze dias após sua apresentação e cuja vigência começará neste sábado, considerando crimes a traição, espionagem, interferência externa, segredos de Estado e sedição, ampliando os poderes do governo da China.

A nova legislação, conhecida localmente como Artigo 23, foi aprovada “a toda velocidade” por 89 de seus 90 membros, em uma sessão especial a pedido do líder da cidade, John Lee, após ser debatida desde o dia 8 passado. O novo texto completa a primeira lei de segurança nacional aplicada em 2020, um ano após manifestações opositoras.

“Estivemos à altura da confiança do país e não desapontamos o governo central”, comentou Lee após a votação, e assegurou: “Hoje é um momento histórico para Hong Kong”.

Ele ressaltou que o pacote de novas leis é necessário para erradicar os distúrbios e lutar contra o que descreveu como “espionagem ocidental”.

O presidente do Legislativo, Andrew Leung, manifestou sua confiança de que todos os legisladores estejam satisfeitos por terem participado desta “missão histórica”. “Estou totalmente de acordo com o que disse o chefe do Executivo: quanto mais cedo a legislação for concluída, mais cedo a segurança nacional será salvaguardada”, acrescentou.

Conselho Legislativo da Região Administrativa Especial de Hong Kong após aprovação da nova lei de Segurança Nacional, segundo o governo necessárias para “tapar lacunas jurídicas” e “restaurar a estabilidade” na cidade (Foto: Congresso Nacional da China)

A lei imporá penas para uma ampla gama de ações que as autoridades consideram “ameaças à segurança nacional”, e as mais graves, incluindo a traição e a insurreição, serão punidas com prisão perpétua. Os crimes menores, incluindo a posse de publicações sediciosas, também poderiam acarretar vários anos de prisão, enquanto algumas disposições permitirão processos criminais por atos cometidos em qualquer parte do mundo.

As autoridades da China e de Hong Kong argumentaram que as novas leis são necessárias para “tapar lacunas jurídicas” e “restaurar a estabilidade” na cidade, sob o argumento de que sua legislação é semelhante a outras leis de segurança nacional no mundo.

Sua miniconstituição, a Lei Básica, exige que Hong Kong promulgue uma lei de segurança nacional própria. Uma tentativa anterior em 2003 provocou protestos de rua massivos que atraíram meio milhão de pessoas, fazendo com que a legislação fosse arquivada.

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Turk, descreveu em comunicado a aprovação como um “retrocesso” para os direitos fundamentais da população da cidade. A União Europeia, os Estados Unidos e o Reino Unido já haviam expressado sua preocupação e pediram aos legisladores locais que levassem mais tempo para examinar seu impacto, relataram os meios de comunicação ocidentais.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Daniel González Delgadillo

LEIA tAMBÉM

emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular
zelensky-conferencia-paz-eua2
“Conferência de Paz” de Zelensky: plano da Otan é manter guerra “até o último ucraniano”
Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania