Pesquisar
Pesquisar

Ideia de que BNDES paga obras em outros países é fake news: quem ganha é o Brasil

"O BNDES vai voltar a financiar projetos de engenharia para ajudar empresas brasileiras", anunciou recentemente o Presidente Lula
Murilo da Silva
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

Na Argentina, o presidente Lula declarou, na segunda-feira (23), que Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) voltará a financiar empresas brasileiras com projetos em países vizinhos. A fala se deu com a presença do presidente argentino Alberto Fernández e com empresários dos dois países.

Em declaração, Lula disse o financiamento de projetos de engenharia auxilia empresas brasileiras no exterior e contribui para o crescimento da região, ressaltando o protagonismo do Brasil, especialmente na América Latina.

Assista na TV Diálogos do Sul

“Eu vou dizer para vocês uma coisa. O BNDES vai voltar a financiar as relações comerciais do Brasil e vai voltar a financiar projetos de engenharia para ajudar empresas brasileiras no exterior e para ajudar que os países vizinhos possam crescer e até vender o resultado desse enriquecimento para um país como o Brasil. O Brasil não pode ficar distante. O Brasil não pode se apequenar”, afirmou Lula.

A medida coloca fim ao período em que o BNDES deixou de financiar projetos iniciado com o governo Bolsonaro sob a alegação de que o Brasil pagava por obras de países vizinhos sem contrapartida, fato que nunca se comprovou. Auditorias contratadas pelo governo Bolsonaro não encontraram nenhuma irregularidade.

No encontro com o presidente argentino, ainda ficou estabelecido também a possibilidade de o BNDES financiar empresas brasileiras que possam fornecer peças para o gasoduto de Vaca Muerta, na Argentina. Com isso, o país vizinho pode concluir a sua grande obra de energia e o Brasil ter outra opção além da Bolívia para comprar gás natural.

Somente empresas brasileiras recebem empréstimo do BNDES

Durante os últimos quatro anos foi feita uma campanha mentirosa de que o BNDES enviava dinheiro nacional para grandes obras de infraestrutura de outros países: mais uma fake news.

Nunca foram encontradas as irregularidades alegadas pelo bolsonarismo por um simples motivo: o dinheiro do Banco é emprestado para empresas brasileiras.

"O BNDES vai voltar a financiar projetos de engenharia para ajudar empresas brasileiras", anunciou recentemente o Presidente Lula

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Realização desses projetos de infraestrutura, principalmente na América Latina, beneficia o desenvolvimento da região

As empresas nacionais tomam o empréstimo no território nacional, em Real, um dinheiro captado para investir em equipamentos, materiais, mão de obra, entre outros meios necessários para que a empresa brasileira possa realizar os seus serviços de obras em outros países. Ou seja, é dinheiro brasileiro gerando riqueza para empresas brasileiras. Com isso, o Brasil se posiciona novamente no mercado de obras de infraestrutura, o que permite o crescimento dos exportadores brasileiros e mais riqueza para a nação.

Com dívidas milionárias perdoadas pelo BNDES, é fácil entender paixão de Collor por Bolsonaro

Como já falado, tudo o que é contratado pela empresa brasileira para colocar em andamento a obra só pode ser gasto com bens e serviços de origem nacional, até mesmo na contratação de pessoal. Portanto, não existe a possibilidade de que o dinheiro nacional esteja beneficiando povos vizinhos em detrimento da própria população.

Exportação de engenharia

A pergunta que fica é: Por que alguns acham maravilhoso empresas de outros países atuando aqui e não pensam que empresas brasileiras possam atuar em outros países?

É essencial em um mundo globalizado que as empresas de um país consigam extrapolar as fronteiras para aumentar a participação da nação em outros mercados. No caso, isso aumenta a possibilidade de geração de riqueza para o Brasil. Ao contrário disso, se as empresas brasileiras deixam de ocupar estes espaços, empresas de outros países passam a ocupá-lo e a nossa indústria acaba por perder participação no mercado.

Como a relação do BNDES é no empréstimo para a empresa exportadora brasileira, os termos de pagamento do contratante estrangeiro são diretamente com esta empresa – que deve realizar um seguro contra eventuais perdas.

Dessa forma, o BNDES só empresta e recebe da empresa brasileira que captou os recursos, sem nenhum contato com o país que recebe o serviço.

Além do lucro e do crescimento que as empresas brasileiras obtêm com obras em outros países, a realização desses projetos de infraestrutura, principalmente na América Latina, beneficia o desenvolvimento da região que se fortalece como um todo pelo protagonismo do Brasil e permite estabelecer relações  de negócio mais fundamentadas com a Europa, Ásia e Estados Unidos.

Murilo da Silva | Portal Vermelho
*Com informações de Agência Brasil e PT


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Murilo da Silva

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos