Pesquisar
Pesquisar

Ilka Oliva Corado publica seis livros de poemas e relatos

Ilka Oliva Corado

Tradução:

“A escrita deu à minha vida o que nunca imaginei em meus sonhos mais lindos”. 

Ilka Oliva Corado*

ilka-oliva-corado3No verão de 2016, decidi editar e publicar a poesia que havia guardado desde um inverno de 2006, quando comecei a escrever em meu autoexílio. 

Enquanto lia e editava tive momentos doces e amargos, muitos de saudade, outros de alegria; desse processo vieram à luz do dia 5 livros de poemas e um de relatos, que vêm para acompanhar os primeiros quatro livros que publiquei.

Ilka Oliva Corado. Foto: Divulgação.
Ilka Oliva Corado. Foto: Divulgação.

Duas trilogias, a primeira: Menina de arrabalde, Desterro e Nostalgia. A segunda: Agosto, Ocre e Crônicas de uma inquilina.

Crônicas de uma inquilina é minha primeira cria, que pensei que seria o primeiro que publicaria, foi o primeiro manuscrito, minha primeira ilusão como escritora; mas que por coisas da vida foi ficando de lado, envelhecendo com o passar dos anos. Até o verão passado que sem que tivesse pretendido também formou parte das trilogias.

Você,  queridos leitores, conhecem meu estilo, minha poesia é simples, é de campo, de arrabalde e povo. Também conhecem minha forma de escrever, embora deva dizer que em Crônicas de uma inquilina encontrarão uma mulher jovem, recém-emigrada, com seus modismos regionais, com a dor da nostalgia e da migração. Com o desencanto e a saudade. Há sim mudanças entre esses relatos e os dos últimos anos. Escrever me salva…

Crônicas de uma Inquilina guarda a magia de meus primeiros relatos: explosivos, coléricos, com a frustração à flor da pele e também com a saudade da terra que me viu nascer. Nesses textos está bem marcado o meu vai e vem emocional, pensando-me na Guatemala e despertando-me na diáspora.

Também encontrarão algo similar nestas trilogias de poemas, a Ilka recém- emigrada e a  de hoje. Poesias amargas e outras doces. Encontrarão tormenta e sossego. Dez anos de catarse através da escrita me mantiveram com vida e me salvaram de mim mesma.

A escrita deu à minha vida o que nunca imaginei em meus sonhos mais lindos. Tampouco foi pensado publicar esses livros precisamente em 2016, as coisas se deram assim, em seu tempo e seu espaço. Foi neste momento em que escrevo este texto que reparo que se cumpriram dez anos daquele primeiro poema que escrevi na angústia, na melancolia e na amargura de minha pós-fronteira.

Estão publicados em Amazon.com, Barnesandnoble.com e em createspace.com  Amazon é plataforma no nível mundial.

Creio que hoje é um bom dia para compartilhar com vocês esta alegria.

 
*Ilka colabora com Diálogos do Sul desde território de Estados Unidos onde vive indocumentada. É para nós muito especial.
 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

Prensa Latina
Prensa Latina: há 65 anos “a arma mais eficaz” de Cuba na defesa dos povos e da Revolução
Gustavo-Petro
Força popular contra golpismo: mais da metade da Colômbia apoia reformas de Petro
Chile-Venezuela (3)
Crise diplomática entre Chile e Venezuela dificulta políticas migratórias e investigações
Claudia Sheinbaum
Para mexicanos nos EUA, missão de Sheinbaum é criar empregos: "Não queremos sair do México"