Pesquisar
Pesquisar

Imigrante e LGBTQ+: quando a partida para os EUA é uma fuga da homofobia familiar

Fidelio vive há 31 anos na Califórnia e imigrou do México por ter sido sempre uma vergonha para seu pai e seus tios
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul
Território dos EUA

Tradução:

Fidelio se detém e descansa junto ao carrinho de sorvetes, tem bolhas nas plantas dos pés, seus sapatos mal têm sola. Percorreu grande parte da cidade desde às sete da manhã, logo será de noite. Não foi um dia bom, não conseguiu vender nem um terço da mercadoria, assim acontece nos dias em que começa o outono e o clima muda de repente.

Nunca imaginou que o Norte seria isso, empurrar um carrinho de sorvetes desde a primavera até o outono e suplicar que lhe comprem o produto, como suplicou em sua natal Iguala de la Independencia, Guerrero, México, quando vendia pães e atoles

Trinta anos percorrendo as ruas da cidade de Chicago, em dias de frio, chuva e sol. Chegou ao país do Norte com 32 anos cumpridos, vai para os 63 e ainda continua indocumentado, não conhece um dia de descanso porque empurra o carrinho de segunda a domingo. Falta pouco para que esqueça seu nome porque há 30 anos é o “sorveteiro”. 

Fidelio vive há 31 anos na Califórnia e imigrou do México por ter sido sempre uma vergonha para seu pai e seus tios

Tim Williams – Flickr

Fidelio aguentou até os 32, que foi muito, despediu-se de sua mãe e foi para o Norte

Quando entra o frio, Fidelio entrega o carrinho e se despede dos sorvetes durante seis meses, então se dedica à venda de pamonhas que coloca em uma caixa de isopor que leva no ombro e vai batendo de porta em porta nos edifícios de apartamentos. Quatro pamonhas por cinco dólares. Não o detém nem a tormenta invernal mais bárbara; nesse dia é quando vende mais porque ninguém quer sair para comprar comida.

O tempero herdou de sua mãe, dona Lindona, que continua vendendo pães e atoles em Iguala de la Independencia. Graças a ela, Fidelio lava, passa, cozinha e busca viver como pode. Não ficou no México não porque comida lhe faltava, mas por ter sido sempre uma vergonha para seu pai e seus tios. Seu pai o bateu e desprezou desde criança por ser diferente dos outros e não ter sido o macho dos machos da família. 

Aguentou até os 32, que foi muito, despediu-se de sua mãe e foi para o Norte. Pelo menos em Chicago é um entre tantos e o negócio de ser macho ficou a muitos quilômetros de distância. Todas as noites, ao regressar das vendas de sorvetes, Fidelio ceia com seu companheiro Marcos, que também fugiu do Panamá pelas mesmas razões.

Ilka Oliva Corado, colaboradora da Diálogos do Sul em território estadunidense.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)