Pesquisar
Pesquisar

Impulsionado pela morte de George Floyd, movimento antirracista gerou propostas de reformas policiais na maior parte dos EUA

Apesar da conquista, a chamada Lei George Floyd que inclui reformas para limitar a imunidade policial enfrenta obstáculos de republicanos no Senado
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Ao se completar um ano do assassinato do afro-estadunidense George Floyd por um policial, um movimento pela justiça racial sem precedentes na história do país ajudou a derrotar um presidente racista, motivou algumas reformas policiais no nível local e outras seguem pendentes, e obrigou o novo presidente a se comprometer em impulsionar reformas federais em defesa dos direitos civis e frear a violência oficial do racismo sistêmico em todo o país – embora essas promessas ainda estão por ser cumpridas. 

A família de George Floyd, incluindo sua filha de 7 anos, foram convidados a uma reunião privada com o presidente Joe Biden e a vice-presidenta Kamala Harris na Casa Branca esta terça-feira (25), para marcar o aniversário. Também se encontraram com líderes legislativos, incluindo a presidenta da câmara baixa Nancy Pelosi.

O presidente -que pôs no centro de sua campanha a justiça racial – havia imposto esta data como limite para promulgar a chamada Lei George Floyd que inclui reformas para limitar a imunidade policial e proíbe o uso de uma manobra física sobre o pescoço para submeter suspeitos, entre outras. 

Mas embora tenha sido aprovada pela câmara baixa, enfrenta obstáculos de republicanos no Senado. A família Floyd insistiu com os políticos a atuar mais rapidamente para aprovar o projeto de lei. 

O presidente emitiu um comunicado depois da reunião afirmando que “a família Floyd demonstra uma valentia extraordinária” e recordou que quando conheceu a filha de Floyd, um dia antes do funeral de seu pai, “ela me disse, ‘papai mudou o mundo’. Assim é”.

Temos que agir… a batalha pela alma dos Estados Unidos tem sido uma queda de braço entre o ideal estadunidense de que todos somos criados como iguais e a dura realidade de que o racismo… nos destroçou”. 

Legisladores, o ex-presidente Barack Obama e outras figuras nacionais emitiram declarações expressando seu compromisso em promover reformas e elogiando a luta renovada pelos direitos civis e o combate contra o racismo sistêmico e estrutural.  

Apesar da conquista, a chamada Lei George Floyd que inclui reformas para limitar a imunidade policial enfrenta obstáculos de republicanos no Senado

Reprodução
Em todos o país, múltiplos eventos marcaram o aniversário da morte do afro estadunidense George Floyd.

Em todos o país, múltiplos eventos marcaram o aniversário. Em Minneapolis foi organizado um festival de música e comida em um parque perto do tribunal onde o policial Derek Chauvin – que se ajoelhou no pescoço de Floyd por mais de 9 minutos apesar das repetidas súplicas de seu vítima de que não podia respirar – foi declarado culpado de assassinar a Floyd no mês passado. 

O caso de Chauvin foi uma das poucas exceções na prevalência da impunidade gozada por autoridades acusadas de homicídio e maus tratos de minorias. 

Nos eventos, fóruns, vigílias e outros mais, recordou-se, e muitos se comprometeram a continuar, as mobilizações de protesto em massa que foi detonada pelo assassinato de Floyd em Minneapolis e persistiram durante meses, sacudindo o país.  

Alguns cálculos são de que 26 milhões de pessoas participaram nessas mobilizações – o maior movimento de protesto da história dos Estados Unidos – por todo o país.  

Em Washington, dias de protesto levaram a que o então presidente Donald Trump se escondesse em um bunker no porão da Casa Branca, em 30 de maio de 2020. Pouco depois, ameaçou enviar tropas federais a várias cidades e ordenou a repressão a uma manifestação pacífica nas proximidades da Casa Branca, com o uso das forças armadas, o que provocou uma profunda crise na cúpula militar.  

Biden, embora ainda não tenha conseguido mudanças legislativas, deixou claro que sua política difere da de seu antecessor, ao instalar um procurador-geral, Merrick Garland, que declarou como prioridade a luta contra o supremacismo branco, e nomeando Kristen Clarke – hoje ratificada pelo Senado – como chefa da divisão de direitos civis do Departamento de Justiça (a primeira mulher afro-estadunidense no posto), entre outras mudanças executivas. 

No nível estatal, o movimento detonado pela morte de Floyd tem conseguido gerar propostas de reformas policiais em quase todos os estados, e em metade deles (24) foram aprovadas novas leis nesse setor; 30 aprovaram novas regras sobre táticas policiais. No nível local, dezenas de cidades reduziram seus orçamentos policiais e/ou implementaram medidas para reformar o comportamento de suas forças de segurança pública. 

Mas muitos no movimento pelos direitos civis renovados dizem que estão buscando promover uma mudança muito mais ampla. O reverendo William J. Barber, co-presidente da Campanha pelos Pobres, observa que “o racismo sistêmico no policiamento está ligado ao racismo e a desigualdade econômica”, bem como em medidas para suprimir a participação política das minorias. “A justiça exige uma transformação sistêmica”, diz ele.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda