Pesquisar
Pesquisar

Impune e a caminho de 2024, Trump se oferece como "retribuição" aos "traídos" dos EUA

“Esta é a batalha final... todos o sabem... ou ganham eles ou nós, e se eles ganham já não teremos país”, afirmou o ex-mandatário voz do neofascismo
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

É preocupante que a estas alturas tenha que ser feita a pergunta sobre se Trump poderá regressar ao poder nas eleições de 2024. Ainda mais alarmante é que não se pode descartar o retorno neofacista dentro deste autoproclamado farol da democracia no mundo. 

Trump já está em campanha e com isso regressam os ataques contra jornalistas como “inimigos do povo”, os “eu tenho outros dados”, para promover enganos e mentiras sobre eleições, fatos científicos ou para calar críticas, e também regressaram as teorias de conspiração, e os ataques contra o chamado “Estado profundo” que inclui setores do poder judicial, o Congresso, o FBI e o Pentágono, que se atrevem a questioná-lo.

Rachas no Partido Republicano indicam que candidatura de Trump para 2024 é incerta

Revive a ofensiva política cultural contra os direitos e liberdades civis de mulheres, gays e rebrota a retórica racista, e é claro, o ataque anti-imigrante tão central na primeira campanha eleitoral incluindo o famoso muro.  

Trump e sua equipe enfocaram a mensagem de sua campanha sob o tema da vingança: “para aqueles que foram agraviados ou traídos: eu sou TUA retribuição”, repete o candidato.

Assista na TV Diálogos do Sul

Em seu recente discurso, Trump sublinhou que “esta é a batalha final… todos o sabem… ou ganham eles ou nós, e se eles ganham já não teremos país”. Vale recordar que em dezembro ele afirmou que seu retorno ao poder, ainda se isso implica “terminar” com a Constituição, é o objetivo supremo. 

Agora existe a possibilidade de que ele poderia estar em campanha presidencial enquanto está em julgamento ante um ou mais tribunais, e que pela primeira vez na história se tornará o primeiro ex-presidente a enfrentar acusações criminais.

Em Nova York, o promotor distrital parece estar perto de anunciar uma acusação criminal em torno a esforços para pagar a uma estrela da pornografia, Stormy Daniels, por seu silêncio durante a primeira companha presidencial sobre uma aventura sexual.

Será que finalmente uma estrela de pornô valente e honesta seja a que finalmente logre frear uma das figuras mais corruptas e misóginas da história moderna do país?

“Esta é a batalha final... todos o sabem... ou ganham eles ou nós, e se eles ganham já não teremos país”, afirmou o ex-mandatário voz do neofascismo

Para além do célebro
O país não conseguiu escapar da sombra ominosa do neofascismo e agora tudo depende da resistência dentro e fora deste país

Se o caso de Daniels, como aconteceu antes, de repente não prosperar, outro promotor distrital está investigando o esforço de Trump para reverter os resultados eleitorais na Geórgia na eleição de 2020, onde há indicações de que estão formulando acusações criminais. 

É claro, como em todas as investigações que existem contra eles, desde seu papel no assalto ao Capitólio, de 6 de janeiro de 2021 em uma tentativa de golpe de Estado, ao seu manejo de documentos secretos oficiais e seus negócios questionáveis entre outras, Trump insiste que não é culpado de nada e que tudo contra ele é parte de “uma caçada às bruxas” – como repetiu outra vez na semana passada. 

Para beneficiar Trump em 2024, republicanos querem aparelhar sistema eleitoral dos EUA

Apesar destes perigos legais para o ex-presidente e o desafio de outros políticos proeminentes dentro do Partido Republicano que estão buscando uma alternativa a ele (o mais mencionado por agora é o atual governador da Florida, Ron DeSantis, como também seu ex-vice-presidente, Mike Pence, que esta semana disse de novo que Trump deve prestar contas por seu papel no assalto ao Capitólio), Trump continua mantendo amplo apoio entre as bases republicanas, e nas pesquisas segue em primeiro lugar de preferência.  

E no melhor da tradição fascista, o demônio alaranjado se envolve nos símbolos patrióticos. Há até mensagens musicais: Trump acaba de gravar um disco onde enquanto ele vai declamando o Juramento de Lealdade (Pledge of Allegiance), um coro de prisioneiros que participaram no assalto ao capitólio em 6 de janeiro de 2021 cantam o hino nacional e coreando ao final “USA, USA”. Esta “banda” está formada pelos responsáveis da tentativa de golpe de Estado sem precedentes na história do país.  

O país não conseguiu escapar da sombra ominosa do neofascismo e agora tudo depende da resistência dentro e fora deste país.

Bônus Musical 1 | Hadestown – Why we build the wall

Bônus musical 2 | Rising Appalachia – Resilient

David Brooks | Correspondente do La Jornada em Nova York.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes