Pesquisar
Pesquisar

“Inação irresponsável”: Aprovação de Piñera despenca com situação crítica da pandemia no Chile

O país está realizando uma campanha de vacinação em massa, mas os indicadores sobre a situação do Covid-19 pioraram
Redação Prensa Latina
Prensa Latina

Tradução:

A aprovação do presidente Sebastián Piñera despencou na última semana arrastada pela situação crítica no Chile, a pandemia do Covid-19 e a má gestão da crise, indica hoje uma pesquisa.

O levantamento da Plaza Pública, da consultoria Cadem, revelou que o apoio ao presidente caiu seis pontos em apenas sete dias, passando de 20 para 14%, coincidindo com os piores momentos da pandemia do Covid-19.

Esse nível é o mais baixo desde dezembro de 2020, quando atingiu 12% e o coloca perto dos piores dias da agitação social que eclodiu em outubro de 2019, quando o reconhecimento do presidente entrou em colapso e ficou em média entre 12 e 13 pontos percentuais.

O executivo como um todo também continuou a perder apoio, pela forma como está administrando a crise de saúde, que caiu 23 pontos percentuais em seis semanas para 35%.

O país está realizando uma campanha de vacinação em massa, na qual quase sete milhões e meio dos 15 milhões de pessoas consideradas população-alvo já receberam pelo menos a primeira dose.

Mas os indicadores sobre a situação do Covid-19 também pioraram, o que muitos especialistas atribuem ao relaxamento causado pelo próprio governo às medidas de saúde para caminharem para a normalidade, especialmente durante o período de férias de janeiro e fevereiro e cujos resultados estão sendo vistos agora.

O país está realizando uma campanha de vacinação em massa, mas os indicadores sobre a situação do Covid-19 pioraram

S. Rodriguez
A aprovação do presidente Sebastián Piñera despencou na última semana arrastada pela situação crítica no Chile.

Na semana passada foram apurados registros quase diários de novas infecções que ultrapassavam nove mil na sexta-feira (9), de pacientes ativos e internações em unidades de terapia intensiva com a saturação da capacidade dos hospitais e elevado número de óbitos, o que levou o Ministério da Saúde a se qualificar como crítica a situação.

Isso reacendeu críticas em amplos setores e até cinco candidatos presidenciais da oposição assinaram um comunicado no qual apontavam que tais números “são catastróficos, mostram o evidente e imenso fracasso deste governo em lidar com a pandemia” pelo que descreveram como “inação irresponsável“.

Os presidentes de 15 partidos e movimentos de oposição e os dirigentes de 18 sindicatos da área da saúde falaram no mesmo tom no fim de semana.

Eles assinaram uma declaração pública em que responsabilizavam o governo por “suas ações erráticas e contraditórias“.

Também lhe mostram uma atitude triunfalista baseada no avanço do processo de vacinação, mas negligente com as demais estratégias de contenção da saúde.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia