Pesquisar
Pesquisar

Incapacidade de Trump resulta em 33 milhões de desempregados em sete semanas

O número real é muito maior já que as cifras oficiais não incluem informações sobre os informais e indocumentados, asseguram analistas
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Com 3,2 milhões a mais de desempregados no setor formal reportados durante a última semana, a cifra total dos trabalhadores que perderam seu trabalho nos Estados Unidos sobe a mais de 33 milhões desde março, informou o governo federal, enquanto outros indicadores e disputas sobre a economia mostram que a catástrofe provocada pelo manejo político da pandemia está chegando a dimensões sem precedentes desde a Grande Depressão. 

Os economistas agora prognosticam que a taxa de desemprego oficial no informe mensal do governo, que será apresentado nesta sexta-feira, superará os 15%, mas em alguns estados, 25% da força de trabalho ativa está desempregada.

O setor mais afetado é o mais vulnerável, com novas análises calculando que 35% dos trabalhadores em empregos de baixo salário perderam seu emprego. 

O número real é muito maior já que as cifras oficiais não incluem informações sobre os informais e indocumentados, asseguram analistas

Linkedin
Informais e indocumentados não são contemplados nem nos indices oficiais, nem no acesso aos benefícios

Cifras não incluem informais e indocumentados

As cifras oficiais registram apenas o número de trabalhadores que solicitaram os benefícios do seguro desemprego e não incluem os do setor informal ou imigrantes indocumentados. Portanto, o número real de desempregados é muito maior, asseguram analistas.

A cascata incessante de más notícias econômicas, aumentam a pressão sobre políticos e outros agentes econômicos para suspender algumas das medidas de mitigação da pandemia. O presidente Donald Trump e seus aliados insistem em que é urgente proceder uma “reabertura” da economia apesar do consenso dos especialistas em saúde de que fazê-lo antes de cumprir com certos critérios de controle da pandemia só provocará mais ondas de infecção. 

Trump ignora recomendações

A Casa Branca rechaçou um rascunho elaborado pelo Centro de Controle de Enfermidades, sua própria agência federal, com recomendações sobre como proceder a uma reabertura sanitária e segura de vários setores, qualificando-os de demasiado rígidos, reportou o New York Times.

Por enquanto, a maioria dos estados está relaxando suas medidas em diferentes ritmos e às vezes de maneira caótica e até ridícula (na Geórgia entre os setores comerciais que têm licença para reabrir são os serviços de massagens e tatuagens). Outros estão procedendo com mais cautela.

Michigan, com sua governadora democrata Gretchen Whitmer, acaba de anunciar que permitirá o retorno de trabalhadores da indústria sobretudo para reativar o setor automotriz. Tudo enquanto não está sendo reduzida a incidência de casos no país (uns 25 mil novos casos são reportados quase todo dia).

Processadores de carnes

Enquanto isso, se revelou que o secretário de Saúde, Alex Azar, comentou em uma conversa com legisladores no fim do mês passado que os trabalhadores eram os culpados por infectar os locais de processamento de carnes e que isso tinha uma relação maior com os aspectos de “família e sociais” das vidas dos trabalhadores do que das condições dentro das fábricas, reportou o periódico Político. Vale recordar que uma grande parte desses trabalhadores são minorias e/ou imigrantes. Trump ordenou a reabertura dessas processadoras.

Curiosamente, a  Bolsa de Valores de Nova York teve uma sessão positiva, encabeçada pelo valor de ações das grandes empresas tecnológicas como Microsoft, Apple e Amazon – cujos donos figuram entre os homens mais ricos do mundo e viram suas fortunas pessoas serem incrementadas durante o desastre econômico – e algumas menores como Zoom e Netflix que estão se beneficiando das condições atuais com quase todo o país obrigado a viver “online”, e esperam que continue a generosidade do governo em sustentar setores vitais da economia.

Fome e insegurança alimentar

Ao mesmo tempo, com indicadores alarmantes e sem precedentes de ampliação dos índices de “insegurança alimentar”, ou seja, da fome, legisladores republicanos estão freando por ora a ampliação do principal programa federal de assistência alimentar para os pobres. 

Por outro lado, enfermeiras do sindicato National Nurses United realizaram um protesto em frente à Casa Branca denunciando a falha do governo em proteger os trabalhadores da saúde, colocando 88 pares de sapatos brancos de enfermeiras representando suas colegas que morreram com o vírus

David Brooks, Correspondente de La Jornada em Nova York.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg