Pesquisar
Pesquisar

Incoerente: EUA promovem "valores democráticos" para outros países, mas são líder mundial em armas e tiroteio em massa

Falando de democracia, seguem-se impulsionando medidas para suprimir o voto em múltiplos estados, incluindo esta semana com uma das mais restritivas no Texas
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Todos os dias o governo dos Estados Unidos afirma que deseja ser líder do mundo para guiar o planeta de acordo com seus “valores democráticos”, e frequentemente denuncia e ameaça aqueles países que considera que não os compartilham, mas a mensagem cotidiana estadunidense entre palavras e fatos não é, digamos, coerente e às vezes é incompreensível.

Mesmo sem fazer uma ampla revisão na história dos Estados Unidos, a contradição constante entre esses “valores” na retórica oficial e nos fatos – um país onde escravocratas falavam eloquentemente sobre a igualdade e a liberdade, onde se buscou destruir as civilizações indígenas, a invasão de outros países, as constantes intervenções e guerras que marcam quase toda a sua história e ainda mais, a repressão aos seus dissidentes e de movimentos democratizantes, e mais recentemente a experiência com o projeto neofascista – se manifesta todos os dias, inclusive ao longo de apenas a última semana.

No fim da semana passada os republicanos no Senado conseguiram derrotar a iniciativa dos democratas para a criação de uma comissão independente para investigar a intentona de golpe de 6 de janeiro e com isso, buscar não deixar impune o que alguns democratas afirmam que foi o ataque mais perigoso havido contra a democracia estadunidense. 

Muitos republicanos respondem que a verdadeira ameaça à democracia são os que impulsionam o “socialismo” como o presidente Biden e seus aliados. Aparentemente, as ameaças à democracia são bipartidárias.

Falando de democracia, seguem-se impulsionando medidas para suprimir o voto em múltiplos estados, incluindo esta semana com uma das mais restritivas no Texas. Todas são promovidas por políticos republicanos e quase todas são justificadas com a “defesa da democracia”, alegando que Trump perdeu por uma fraude massiva – algo de que não há nem a mínima evidência até hoje (nem em estados controlados por republicanos). Pelo menos 14 estados já aprovaram leis que buscam impor novas restrições sobre o voto com o objetivo de suprimir sobretudo o voto minoritário (afro-estadunidense e latino em particular). Foram elaborados uns 400 projetos de lei deste tipo no nível nacional. O presidente Biden qualificou a medida no Texas como “um assalto sobre a democracia”.

Enquanto isso, no caso de os valores democráticos não serem suficientes, os Estados Unidos seguem sendo líder mundial em armas e tiroteios em massa. Os estadunidenses estão comprando mais armas do que antes, reportou o New York Times. Isso no país com a população já mais armada do planeta. Segundo algumas sondagens, 39% dos lares estadunidenses possuem armas de fogo.

Falando de democracia, seguem-se impulsionando medidas para suprimir o voto em múltiplos estados, incluindo esta semana com uma das mais restritivas no Texas

Sean Valentine via Pexels
Todos os dias o governo dos Estados Unidos afirma que deseja ser líder do mundo para guiar o planeta de acordo com seus “valores democrático

Neste fim de semana, duas pessoas foram assassinadas e mais de 20 feridas em Miami quando três pessoas saíram de uma caminhonete com rifles de assalto e pistolas e dispararam de maneira indiscriminada contra pessoas congregadas nas proximidades de um salão de festas.

Poucos dias antes, um homem chegou ao seu local de trabalho em San José, California e matou oito. São apenas os exemplos mais recentes de uma incessante violência com armas de fogo neste país.

Justamente no meio de tudo isso, o governo do Texas anulou o requisito de se obter uma licença para portar de maneira oculta armas de fogo – não está sozinho, outros 19 estados já fizeram o mesmo.

Tudo isto não parece limitar o entusiasmo oficial para proclamar repetidamente que os Estados Unidos oferecem “liderança” mundial em promover “nossos valores de liberdade, democracia e respeito pelos direitos humanos”, e até oferece “expor” os que são convidados a participar de programas de educação, inclusive a militar, “à custa dos Estados Unidos” como um grande privilégio (tal como se escreveu mais recentemente na justificativa do orçamento para o Departamento de Estado).

Talvez os Estados Unidos deveriam pensar em solicitar assistência desde o exterior para apoiar a defesa de seus “valores democráticos” em sua própria terra.

The Temptations. Ball of Confusion.


Green Day. Holiday.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Talibãs no Afeganistão ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia