Pesquisar
Pesquisar

Índios pedem legislação audiovisual na Bolívia

Orlando Senna

Tradução:

Orlando Senna*

indiosDe maneira surpreendente, os índios bolivianos encaminharam ao presidente Evo Morales, ao Senado e ao Ministério de Culturas da Bolívia a proposta de uma Lei de Cinema e Audiovisual.

A iniciativa é do Sistema Plurinacional de Comunicación Indígena Originario Campesino e Intercultural, que reúne as organizações indígenas e realizou os trabalhos de elaboração do anteprojeto.
Algumas circunstâncias políticas e étnicas têm a ver com esse pioneirismo de índios pedindo legislação audiovisual. Primeiro, 70% da população boliviana é indígena (55% índios, 15% mestiços de índios). Como se sabe, Evo Morales é um índio aimará. Segundo, a questão audiovisual na Bolívia sofreu vários revezes durante os sete anos do governo Evo, incluindo fortes pressões dos Estados Unidos e de exibidores locais para que nada seja mudado. E nada mudou, não houve qualquer avanço significativo.
Agora as organizações indígenas decidiram agir. Iván Sanjinés, presidente do Centro de Formación y Realización Cinematográfica de Bolívia-CEFREC e filho de Jorge Sanjinés, o maior cineaste da Bolívia, disse que a proposta “reivindica o caráter descolonizador e democrático do cinema boliviano” e que se apresenta como um “instrumento de transformação e inclusão social”.
Orlando Senna é cineasta e ex-secretário do Audiovisual do MinC – Ministério da Cultura.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Orlando Senna

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei