Pesquisar
Pesquisar

Inelegibilidade dá alívio, mas é preciso mais para exorcizar Brasil do bolsonarismo

Lula precisará separar o joio do trigo, ou melhor, retirar os bolsonaristas disfarçados de homens públicos do seu governo
André Marcio
Espaço Literário Marcel Proust
Florianópolis (SC)

Tradução:

Enfim o ex-presidente Jair Messias Bolsonaro foi declarado inelegível até 2030, por força de decisão exarada pelo Tribunal Superior Eleitoral, na semana passada, por um placar de 5 votos a favor e 2 votos contra. O placar importa menos do que o resultado. Com efeito, depois de termos assistido à quase “destruição” do país em meros 4 anos de governo, das formas mais diversas que podemos pensar – aumento exponencial do desmatamento da Amazôniaespionagem da sociedadefome endêmica, para apenas um mandato majoritário; incremento do número de pessoas resgatadas por trabalhos análogos à escravidãocapital neoliberal“pária” internacional, pela primeira vez na história, como consequência das posturas e ações adotadas, inclusive de estímulo a todos os tipos de preconceitosdiscurso de ódio característico de regimes autoritários -, o sentimento de alívio se apoderou de nós, os brasileiros que se indignaram com todos os absurdos acima descritos.  

Mas é preciso entender melhor como o Brasil se livrou dessa chaga de maneira tão rápida, mesmo com tamanha destruição. Vou tentar fazer isso em poucas linhas, pois esse tema instiga melhores e maiores elucidações.

Assista na TV Diálogos do Sul

Entendo que alguns eventos foram decisivos para a inelegibilidade de Bolsonaro, a saber: 1) a derrota de Donald Trump para Joe Biden, na sua tentativa de reeleição para presidência dos Estados Unidos, em 2020; 2) a postura negacionista do governo brasileiro, alimentada por ninguém menos do que o próprio Bolsonaro, sobre a pandemia da COVID-19; 3) a entrega total da economia do país nas mãos de um ex-integrante da Escola de Chicago, o economista Paulo Guedes, defensor incondicional do neoliberalismo, que deixou terra arrasada nos mecanismos de proteção social para os mais necessitados; 4) o quase total isolamento político no cenário mundial, ressalvado apenas o apoio dos países autoritários, de forte inclinação fascista, como a Hungria, do primeiro-ministro Viktor OrbánRecep ErdoganAndrzej DudaBenjamin Netanyahu

Inelegível! TSE forma maioria e suspende direitos políticos de Bolsonaro por 8 anos

Todavia, é notório que o país continua dividido ideologicamente. Não à toa, mesmo com a situação calamitosa que imperava nas mais variadas esferas – política, econômica, social, ambiental, religiosa etc – às vésperas das eleições do ano passado, a vitória de Lula foi extremamente apertada. É verdade que houve os famigerados bloqueios realizados pela Polícia Rodoviária Federal, principalmente nas estradas do Nordeste, mas não apenas nele, com o objetivo de dificultar ao máximo que os eleitores das regiões majoritariamente pró-Lula votassem. Porém, mesmo que isso não tivesse ocorrido, o resultado seria apertado. Talvez a vitória não tivesse sido tão sofrida, com ares dramáticos mesmo, mas ainda assim seria por uma incompreensível margem pequena de votos, considerando a grandiosidade da destruição da sociedade brasileira promovida pelo governo que buscava reeleição. Basta ver o número de feminicídios nesses primeiros 6 meses de governo Lula e das mortes em escolas públicas de crianças e professores, perpetrados por alunos e ex-alunos, rescaldo do governo anterior, que fez apologia para que a sociedade civil comprasse armas de fogo.

E é por isso que o atual governo precisa utilizar todas as Políticas Públicas disponíveis de forma certeira, sem economizar nada. Quatro anos me parece muito pouco tempo para recuperar um país combalido em todos os seus fronts. De fato, ainda existem bolsões bolsonaristas no governo Lula, que podem ser um entrave importante para que essas ações de governo prosperem, como o atual presidente do Banco Central, o presidente da Câmara dos Deputados, além famigerado “Centrão”. Repare o leitor que só estou falando dos bolsões bolsonaristas dentro do governo. É claro e cristalino que a trupe de Bolsonaro, que está fora do governo, vigia o governo Lula ávida por um grande deslize. Isso sem falar no “fogo amigo”, representado pelos integrantes do governo Lula que comungam com esses bolsonaristas que estão no poder. Por exemplo, o líder do governo na Câmara, Deputado José Guimarães (PT-CE), ligado ao presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Arthur Lira (PP-AL), este um bolsonarista de carteirinha.

Continua após o banner

Comecei esse texto dizendo que o ex-presidente Bolsonaro ficou inelegível até 2030, pelo menos. UFA!!! Contudo, isso não é o bastante para exorcizar do país o risco de voltarmos ao estado de exceção em breve. É fundamental que o judiciário brasileiro, em todas as suas instâncias, continue seu trabalho de expurgo dessa metáfora infame que é o “bolsonarismo”. Para tal desidério, é preciso que o ex-presidente Bolsonaro seja condenado mais vezes, nas dezenas de processos que já tramitam contra ele, se não quisermos ver o espectro do mal (JUDT, 2010) rondando o Brasil novamente. E é claro que Lula sabe disso e já começou a tomar atitudes para evitar tal catástrofe. Tirar o país do mapa da fome de novo é apenas o início de um trabalho hercúleo a ser feito, para que a sociedade brasileira possa recuperar o mínimo de dignidade civilizatória que já teve durante os dois primeiros governos de Lula, no começo desse século. Se não quiser se perder nas entranhas do poder, Lula precisará separar o joio do trigo, ou melhor, retirar os bolsonaristas disfarçados de homens públicos do seu governo. A conferir!

Referência
1 – JUDT, Tony. O mal ronda a terra: um tratado sobre as insatisfações do presente. Rio de Janeiro. Objetiva. 2011.

André Marcio | Espaço Literário Proust


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
André Marcio

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização