Pesquisar
Pesquisar

Inglaterra foge de responsabilidade e vai enviar refugiados para Ruanda; entenda

Acordo prevê que Reino Unido vai entregar a Ruanda US$ 155 milhões para que país africano aceite receber deportados; ação é amplamente criticada
Redação IPS
IPS
Genebra

Tradução:

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) opõe-se à deportação de refugiados para Ruanda decidida pelo Reino Unido, e afirmou que o governo britânico elude suas obrigações internacionais.

Acnur “opõe-se firmemente a todo acordo que busque transferir as pessoas refugiadas ou solicitantes de asilo para terceiros países sem que existam normas e salvaguardas suficientes”, declarou na sede da agência nesta cidade suíça sua alta comissária auxiliar para a proteção, a australiana Gillian Triggs.

Acordos desta natureza “transferem responsabilidades em matéria de asilo, eludem obrigações internacionais, e contrariam o conteúdo e a essência da Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados”, afirmou Triggs.

O governo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o de Ruanda do presidente Paul Kagame, assinaram em 14 de abril um acordo para relocalizar no país da África oriental aqueles que Londres decida que chegaram a seu território ilegalmente.

Conheça Salam, a robô da ACNUR que explica pelo Facebook a realidade dos refugiados

Meios de imprensa relataram que em 2021 mais de 28.000 migrantes tentaram cruzar irregularmente o Canal da Mancha a partir do continente europeu, buscando trabalho e residência na Grã-Bretanha, e uns 4.600 já o fizeram em 2022, o que acelerou a decisão do governo de expulsá-los do solo britânico.

“As pessoas que fogem de guerras, conflitos e perseguições merecem compaixão e empatia. Não devem ser tratadas nem transportadas para o estrangeiro, como se fossem mercadoria, para o trâmite de suas solicitações de asilo”: Gillian Triggs.

Acordo prevê que Reino Unido vai entregar a Ruanda US$ 155 milhões para que país africano aceite receber deportados; ação é amplamente criticada

UK Prime Minister’s Office – Wikimedia Commons
Para oposição, ação seria manobra para distrair população de escândalo por festas proibidas promovidas por Boris Johnson

O acordo prevê que o Reino Unido entregará a Ruanda 155 milhões de dólares em troca de que aceite acolher os deportados, que deverão receber apoio para seu alojamento, atendimento médico, capacitação e integração, segundo disse, depois de assinar o pacto em Kigali, a ministra do Interior britânica, Priti Patel.

A imprensa britânica disse que o primeiro objetivo do governo de Johnson é deportar os “migrantes econômicos”, em sua maioria homens adultos que chegam à Grã-Bretanha em busca de melhores oportunidades mas não são considerados perseguidos por motivos políticos, religiosos ou de qualquer tipo.

Patel garantiu depois da assinatura que o objetivo do acordo é melhorar o sistema de asilo de seu país, “que enfrentou uma combinação de crises humanitárias reais e malvados traficantes de pessoas que se beneficiam da exploração do sistema”, e recusou-se a especificar os critérios que serão empregados para decidir as deportações.

Acnur exortou a não enviar as pessoas refugiadas ou solicitantes de asilo para Ruanda para o trâmite de asilo.

“As pessoas que fogem de guerras, conflitos e perseguições merecem compaixão e empatia. Não devem ser tratadas nem transportadas ao estrangeiro, como se fossem mercadoria, para o trâmite de suas solicitações de asilo”, enfatizou Triggs.

Do Afeganistão ao México, EUA criam crises de refugiados e devem receber quem pede asilo

A agência da ONU apelou a Londres e Kigali para que reconsiderem seus planos, pois “em vez de dissuadir as pessoas refugiadas de empreender perigosas travessias, acordos de externalização deste tipo apenas incrementarão os riscos, o que levará as pessoas refugiadas a buscar vias alternativas”.

O Reino Unido “tem a obrigação de garantir o acesso a procedimentos de asilo para as pessoas que requerem proteção. A integração é possível depois de determinada a condição de refugiado, enquanto aqueles que não tenham bases jurídicas para permanecer podem ser devolvidas de maneira digna e segura a seus países de origem”.

A agência lembrou que no passado o Reino Unido apoiou o trabalho da Acnur e fez contribuições para proteger refugiados, por exemplo com reassentamentos de famílias no interior do país.

O governo de Johnson, do Partido Conservador, também determinou militarizar o controle da imigração pelo Canal da Mancha, que estará a cargo da Armada, cujo orçamento foi aumentado em 65 milhões de dólares com esse fim.


Partido Trabalhista

O Partido Trabalhista, de oposição, considerou o acordo com Ruanda uma manobra para distrair a atenção pública da multa imposta a Johnson e a seu ministro da Economia, Rishi Sunak, pelas festas proibidas na sede do governo durante os confinamentos decretados para encarar a pandemia da covid-19.

A nova medida seria “um anúncio desesperado e verdadeiramente vergonhoso, uma proposta contrária à ética”, segundo a porta-voz trabalhista em matéria de imigração, Yvette Cooper.

A Igreja da Inglaterra, reconhecida como oficial do Estado, criticou o acordo com Ruanda considerando que coloca “graves problemas éticos” para o povo britânico.

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, primaz desta igreja, afirmou que “subcontratar nossas responsabilidades, inclusive com um país que busca fazer o bem, como Ruanda, é contrário à natureza de Deus, que assumiu a responsabilidade por nossos fracassos”.


Redação IPS

Tradução de Ana Corbisier   


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação IPS

LEIA tAMBÉM

Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil