Pesquisar
Pesquisar

"Inimigo é o sistema neoliberal e aqueles que o sustentam", afirma neto de Salvador Allende

O Chile despertou e é bom que o povo identifique o inimigo que mantém o sistema e quer manter a constituição herdada de Pinochet
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Santiago

Tradução:

Pablo Sepúlveda Allende, neto do presidente Salvador Allende (1970-1973), disse hoje que o Chile despertou e que os protestos dos últimos dias são uma rebelião contra o roubo e o abuso ao povo. 

Afirmou que é preciso entender que o inimigo é o sistema neoliberal e aqueles que o sustentam e explicou que esta revolução social é a resposta a décadas de injustiça crônica e exploração do povo trabalhador. 

“Chile é uma república privatizada onde tudo tem dono: a água, o mar, o cobre, o lítio, tudo roubado pelas transnacionais.”

Pablo afirma que “destruíram nossa natureza” e que o país está com várias zonas de ecossistemas destruídos e comunidades vivendo em zonas insalubres. 

Essa rebelião, na sua opinião, significa que o país despertou e é bom que o povo identifique o inimigo que mantém o sistema e quer manter a constituição herdada de Pinochet.

O Chile despertou e é bom que o povo identifique o inimigo que mantém o sistema e quer manter a constituição herdada de Pinochet

Causa operária
Pablo Sepúlveda Allende

Pablo Sepúlveda Allende é membro da Rede de Intelectuais, Artistas e Movimentos Sociais em Defesa da Humanidade e filho mais velho de Carmen Paz, a filha mais velha do presidente socialista e de Héctor Sepúlveda. Nasceu no México em 1976 durante o exílio de sua família e regressou ao Chile em 1991. É formado pela Escola Latino-americana de Medicina de Cuba. 

A Rede de Intelectuais, Artistas e Movimentos Sociais em Defesa da Humanidade manifestou sua solidariedade com o povo do Chile, após a repressão pelas forças policiais. 

Em uma declaração, denunciou a criminalização do protesto social pelo governo de Sebastián Piñera, especialmente contra crianças e adolescentes que protagonizaram as manifestações dos últimos 

Denunciou que estes fatos constituem graves violações aos direitos humanos  e condenou energicamente as vergonhosas medidas tomadas pelo governo, inclusive o estado de emergência que gera a restrição do direito de reunião e de livre locomoção, medidas próprias de uma ditadura. 

A Rede faz um apelo a intelectuais, artistas, homens e mulheres do mundo a manifestar-se e condenar a crise no Chile e reiterou seu apoio aos protestos da cidadania e sua completa solidariedade com as lutas sociais para alcançar um país mais justo para todas e todos. 

*Tradução: Beatriz Cannabrava

**Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Peru
Congresso do Peru aprova lei que prescreve crimes de guerra e lesa humanidade
Gustavo-Petro-Colômbia
Colômbia: após ataques de guerrilha contrária aos diálogos de paz, Petro anuncia "ofensiva total"
Claudia-Sheinbaum-Mexico-eua
Mídia e think thanks dos EUA reclamam do excesso de democracia no México
Nayib Bukele
Projeto repressivo de Bukele ignora raízes da criminalidade e gera ilusão de segurança