Pesquisar
Pesquisar

Instituto pela Erradicação do Trabalho Escravo lança campanha de conscientização

Estima-se que 40 milhões de pessoas do mundo estejam submetidas a novas formas de escravização, 70% delas são mulheres, incluindo crianças do sexo feminino
Mariane Barbosa
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

*Matéria publicada originalmente em 28/01/2021 às 15:20 e atualizada em 28/01/2022 às 12:45.

Apesar de passados 130 anos da promulgação da Lei Áurea, mais de 53 mil pessoas foram resgatadas de trabalhos análogos à escravidão em território brasileiro. 

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), estima-se que 40 milhões de pessoas do mundo estão submetidas a trabalhos análogos à escravidão, sendo que 70% delas são mulheres, incluindo crianças do sexo feminino.

No Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo no Brasil, o InPACTO (Instituto do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo) lança, nesta quinta-feira (28), uma campanha de prevenção e combate à prática.

A diretora-executiva da entidade sem fins lucrativos, Mércia C. Silva, chama a atenção para o fato de que a prática é algo que pode ocorrer bem perto de qualquer um de nós, portanto estar atento pode fazer a diferença “para reconhecer esse tipo de situação para auxiliar na prevenção e no combate”.

Estima-se que 40 milhões de pessoas do mundo estejam submetidas a novas formas de escravização, 70% delas são mulheres, incluindo crianças do sexo feminino

ONU
Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo no Brasil

Semana Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

A data que enfatiza a importância de combater essa violação aos direitos humanos foi escolhida para homenagear os auditores fiscais Eratóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e o motorista Aílton Pereira de Oliveira. 

Eles foram mortos em 28 de janeiro de 2004, quando investigavam denúncias de trabalhos análogos à escravidão em fazendas na cidade de Unaí, em Minas Gerais.

Para dar maior visibilidade ao tema e mobilizar a sociedade para exigir sua erradicação, durante toda a semana são organizadas diversas atividades pela sociedade civil, sindicatos e poder público. 

Para mais informações, acesse aqui as redes sociais da InPACTO.

Mariane Barbosa da equipe da Diálogos do Sul.


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Mariane Barbosa

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio