Pesquisar
Pesquisar

Internacionalmente reconhecido, músico cubano, Rafael de la Torre morre na Argentina

Argentinos e cubanos choraram a morte de Rafael de la Torre, mas seu legado musical permanecerá vivo de geração em geração
João Baptista Pimentel Neto
Diálogos do Sul
Rio Claro (SP)

Tradução:

O músico, poeta e ator cubano Rafael de la Torre, integrante do núcleo fundador do Movimento Nueva Trova em seu país e radicado na Argentina desde 1993, faleceu nesta quinta-feira, aos 69 anos, no Hospital Méndez, em Buenos Aires, onde esteve internado por volta um mês com coronavírus.

Rafael nasceu em Camagüey em 30 de julho de 1951 e lá, além de ser trovador, integrou os grupos Agramonte, Guaican, Tributo, Jelengue e Conjunto Nacional de Espectáculos e foi faz parte da União Nacional de Escritores e Artistas de Cuba.

Rafael iniciou seus estudos musicais em 1960, aos 9 anos, no Conservatório Municipal de Camagüey, onde estudou até o 5º ano. ano do violino, teoria musical e teoria. Nos anos posteriores, ele estudou canto, atuação e interpretação de repertório no Conservatório González Allué de Cuba 

Antes de se estabelecer na Argentina, passou por mais de quarenta países, entre eles Finlândia, Suécia, Espanha, Suíça, Noruega, Angola, Turquia, Rússia, Alemanha.

Membro do Sindicato de Escritores e Artistas de Cuba e da Associação Argentina de Intérpretes e recebeu o Prêmio Nacional de Música de 1984.

Argentinos e cubanos choraram a morte de Rafael de la Torre, mas seu legado musical permanecerá vivo de geração em geração

Prensa Latina
Membro do Sindicato de Escritores e Artistas de Cuba e da Associação Argentina de Intérpretes e recebeu o Prêmio Nacional de Música de 1984

Dylan, Beatles e Stones

“Eu queria parecer com Ringo Starr , mas a única coisa que eu tinha a meu favor era meu nariz. Eu gostei da bateria; Eu faltava às aulas de violino e ia às aulas de percussão. Tive que tocar um grupo de versões de canções da época, como “Viento tell the rain”, de Los Gatos … Minha geração, os anos cinquenta, é permeada por Bob Dylan, Beatles , Rolling e, ao mesmo tempo , de Ñico Saquito , José Antonio Méndez”, disse há anos numa entrevista.

O músico confessou mais de uma vez ter chegado à Argentina sob a influência de Fito Páez .

“Em 1993 eu estava na casa de Silvio Rodríguez para seu aniversário e Fito Páez me perguntou, brincando, por que eu não estava indo para a Argentina. E quem te disse que não era uma espécie de luzinha: logo entrei em turnê. Cheguei em 19 de dezembro de 1993 e em sete dias percorri Córdoba, El Bolsón, San Martín de los Andes … Sozinho, com o violão. Voltei em junho do outro ano e já conheci minha esposa, Patricia. Chegou o Santiaguito, que fala eu e depois ele fala io, e cai e cai. É assim mesmo, Buenos Aires te pega”.

Recentemente, De la Torre formou um novo grupo para explorar a fusão entre a música cubana e o ska jamaicano, com o qual vinha se apresentando em paralelo com outros conjuntos de son e boleros

Foi convidado a participar da gravação do videoclipe do grupo argentino RS Positivo, formado por Rudy (Marcelo Rudaeff) e Ale Sanz (Alejandro Sanz), da canção Soberana, la cubana , que dedicaram ao Candidatos à vacina que desenvolvem os Cientistas da Ilha.

Por fim, ele não pôde comparecer porque estava sofrendo de Covid-19, que acaba de causar sua morte. 

Repercussões 

Argentinos e cubanos choraram a morte de Rafael de la Torre, mas seu legado musical permanecerá vivo de geração em geração.

Segundo a Prensa Latina, o crítico e pesquisador cultural Toni Más, presidente da União dos Moradores de Cuba na Argentina (URCA) lamentou a perda de Rafaelito – como o chamavam seus amigos – que qualificou de “artista excepcionalmente talentoso, comprometido com sua pátria e com a Revolução”.

“Nossas mais profundas condolências à sua família e amigos que conseguiram partilhar de seu caráter fraterno e solidário”, disse ele.

Também Alberto Más, do Clube Argentino dos Jornalistas Amigos de Cuba (Capac), manifestou a sua dor por esta partida física.

“A COVID-19 levou Rafaelito, um artista que nos fez arrancar risos e lágrimas com suas canções. Também um amigo, companheiro, construtor de uma cultura que se baseou na liberdade, na solidariedade e no amor ao próximo”, declarou. .

“Vamos sentir falta dele e continuar a amar e ouvir suas canções. Até a vitória, sempre querido Rafael”, disse More, um integrante do Movimento Argentino de Solidariedade com Cuba (MasCuba).

Stella Calloni lamenta a morte de Rafaelito

A intelectual e jornalista argentina Stella Calloni também expressou seu pesar pela morte do músico cubano.

Comovida com a morte Calloni relembrou à Prensa Latina aquelas vezes em que teve a oportunidade de cantar boleros que o músico tocava ao seu lado.

“Rafaelito foi um companheiro infalível em todos os atos de solidariedade com Cuba. Renovava às memórias de quase todas as etapas vividas da Revolução, tanto na música como na cultura”, destacou.

“Eu costumava dizer que ele tinha uma voz ‘maluca’. Foi um homem maravilhoso que na Argentina sempre esteve presente nas ações de solidariedade à Cuba. Sua morte atingiu a todos porque era muito querido”, disse a jornalista.

João Baptista Pimentel Neto, jornalista, gestor e produtor cultural, da equipe da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
João Baptista Pimentel Neto Jornalista e editor da Diálogos Do Sul.

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa