Pesquisar
Pesquisar

Invasão ao Capitólio: Para policiais, conduta de Trump pôs em perigo a vida de todos os membros do Congresso

O relato dramático de quatro seguranças que testemunharam o assalto marcou o início das tarefas de uma comissão especial estabelecida para investigar os acontecimentos desse dia
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Policiais federais encarregados da segurança do Congresso descreveram a forma como suas vidas e as dos legisladores que protegiam estiveram em risco durante o assalto ao Capitólio por forças instigadas por Donald Trump para tentar interromper com violência a transferência de poder político nos Estados Unidos no passado 6 de janeiro. 

O dramático testemunho de quatro policiais do Capitólio – força federal autônoma – e vídeos (alguns nunca vistos antes) do que alguns chamam de “insurreição” e outros qualificam como uma tentativa de golpe de Estado, marcou o início das tarefas de uma comissão especial estabelecida pela câmara baixa para investigar os acontecimentos desse dia, e que com a exceção de dois legisladores, foi boicotada por ordens da liderança republicana.

Às vezes com lágrimas de ira e de tristeza – e assombro ao que políticos republicanos descartam como um incidente irrelevante ou exagerado – os quatro policiais contaram como foram atacados fisicamente ao ponto de pensar que acabariam mortos e, insultados por pessoas que portavam bandeiras estadunidenses, cartazes e camisetas com o nome do presidente e até faixas cristãs.

O sargento Aquilino Gonell – imigrante dominicano e veterano da guerra do Iraque – caracterizou a violência como “uma batalha medieval” e disse que houve um momento em que pensou que aquele era o seu fim.

Apoiadores invadem Capitólio após Trump dizer que nunca aceitará derrota para Biden

Neste 6 de janeiro, recordou, “tinha mais medo trabalhando no Capitólio que durante todo o tempo no Iraque”. Reportou que os atacantes o chamaram de “traidor” e que deveria ser “executado”. Todos repetiam que Trump os havia enviado, sublinhou.

Perguntado por legisladores sobre sua opinião sobre Trump haver declarado que “amava” os manifestantes, Gonell comentou: “ele ajudou a criar essa monstruosidade… Foi uma tentativa de Golpe de Estado. Se tivesse ocorrido em outro país, os Estados Unidos teriam enviado ajuda”. 

“Não estamos pedindo medalhas e reconhecimento, só queremos justiça e uma prestação de contas”, concluiu. 

O relato dramático de quatro seguranças que testemunharam o assalto marcou o início das tarefas de uma comissão especial estabelecida para investigar os acontecimentos desse dia

Wikimedia Commons
Mais de 550 pessoas foram formalmente acusadas por atos criminosos federais relacionados com o assalto ao Capitólio

Agressões físicas, ameaças e insultos racistas

O oficial Michael Fanone -que sofreu uma parada cardíaca e uma ferida cerebral traumática nesse dia, recordou que foi arrastado da primeira linha de defesa, golpeado, atacado por uma arma de choque repetidamente e escutou quando alguém sugeriu “matá-lo com sua própria pistola”. Recordou que lhe gritaram que era “um traidor a meu país” por defender o Capitólio.

Fanone comentou que “o que faz tudo isso mais difícil e mais doloroso é saber que tantos dos meus concidadãos – incluindo muita gente pela qual arrisquei minha vida para defender, estão minimizando ou até negando explicitamente o que aconteceu”.

Golpeou com ira a mesa na audiência ao acusar os legisladores que minimizaram o ataque desse dia: “traíram seu juramento” e são “uma desgraça”.

Espinoza: Com invasão de trumpistas, Capitólio foi cenário de espetáculo digno de Mussolini

Seu colega Daniel Hodges recordou que lhe gritavam “traidor” e um atacante o ameaçou – “morrerás sobre teus joelhos” – enquanto lhe dava pontapés e depois foi apanhado por uma porta enquanto era golpeado por aqueles que chamou “terroristas” – os vídeos desse momento são já famosos com ele gritando em agonia.

Contou que os atacantes “eram um mar de gente que portavam bandeiras… bandeiras estadunidenses e de Trump … uma cristã e outra faixa que dizia: “Jesus é meu salvador, Trump é meu presidente”.

O oficial Harry Dunne declarou sobre os insultos racistas (é afro-estadunidense), incluindo o uso de palavras que nunca havia escutado em toda a sua carreira como policial. “Como pode ser isto os Estados Unidos?” perguntou. 

Transmissão do poder não foi pacífica

O presidente da comissão legislativa, o deputado democrata Bennie Thompson, declarou que apesar das instituições democráticas terem sobrevivido e que Joe Biden tenha sido instalado como presidente legitimamente eleito, “uma transmissão pacífica do poder não ocorreu este ano”. Não ocorreu.

Conduta de Trump pôs em perigo a vida de cada membro do Congresso, dizem acusadores

“Pensem nisso. Uma turba violenta foi apontada para o Capitólio e lhes disseram que realizassem um julgamento por combate”.

Apenas dois republicanos

Só dois legisladores republicanos se atreveram a formar parte da comissão, depois que a liderança freou a tentativa de conformar uma comissão bipartidária, e hoje de novo qualificaram o processo como “uma farsa”.  

Liz Cheney, um dos dois, declarou que a pergunta fundamental aqui era: “Nos apegaremos ao império da lei?” nos Estados Unidos. “Se aqueles responsáveis não são obrigados a prestar contas, se o Congresso não age responsavelmente, isto continuará como um câncer sobre nossa república constitucional… A transferência pacífica do poder está no centro do nosso sistema democrático”. 

Mais de 550 pessoas foram formalmente acusadas por atos criminosos federais relacionados com o assalto ao Capitólio em 6 de janeiro. Na semana passada, o primeiro foi condenado à prisão e não estará sozinho. 

Ainda se investiga, pela mesma comissão, a cumplicidade ou mais de alguns legisladores republicanos e até do ex-presidente nesse ataque violento sem precedentes contra o símbolo mais emblemático da democracia americana: o Capitólio.

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Pedro Sánchez Apresenta Plano de Regeneração Democrática no Congresso Espanhol
Pedro Sánchez apresenta ações contra fake news enquanto lei mordaça segue em pauta
Afeganistão: os talibãs avançam rumo ao reconhecimento internacional
Talibãs no Afeganistão ampliam cooperação e avançam para ganhar legitimidade internacional
Republicanos atraem voto latino para Trump em meio a ataques a imigrantes
Republicanos prometem 50% do voto latino enquanto líderes atacam imigração ilegal na convenção
China e Rússia iniciam manobras militares conjuntas em resposta à expansão da OTAN
Manobras militares China Rússia são uma resposta à expansão da Otan na Ásia