Pesquisar
Pesquisar

Invencível: Rússia dispara míssil hipersônico a partir de submarinos nuclear em imersão

Míssil reforça a posição negociadora de Moscou nas conversações sobre “estabilidade estratégica” que mantém com Washington
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Todo um êxito resultou o primeiro lançamento do míssil supersônico de cruzeiro Zirkon, a partir de um submarino nuclear em imersão, a quarenta metros de profundidade, informou o ministério da Defesa da Rússia em um breve comunicado difundido pelo seu canal de notícias na rede social Telegram. 

De acordo com este, o míssil saiu do mar Branco e, como estava previsto, deu no alvo no mar de Barents, no norte do país..

Esta prova era esperada com muito interesse devido a que todos os lançamentos anteriores — a partir da atual fase experimental que começou em 2020, cinco em total, quatro desde barcos de guerra e um a mais, no domingo anterior, a partir do mesmo submarino mas sem submergir-se — se fizeram sobre o mar. 

E se comprovou na prática a aposta que fizeram seus criadores desde antes de receber luz verde para seu projeto: é factível realizar o lançamento de mísseis hipersônicos a partir de submarinos em imersão. 

Míssil reforça a posição negociadora de Moscou nas conversações sobre “estabilidade estratégica” que mantém com Washington

Reprodução
Rússia realizou com êxito o primeiro lançamento do míssil supersônico de cruzeiro Zirkon a partir de um submarino nuclear em imersão.

Esta característica torna diferente o Zirkon, dizem os especialistas militares, ao agregar à sua assombrosa velocidade o fator surpresa no momento de disparar, porquanto o míssil sai debaixo d’água e pode elevar-se mais alto e mais rápido que qualquer foguete interceptador dos que existem atualmente.

Seis vezes mais veloz que o som, arma invisível chinesa pode destruir redes de comunicação

Se não houver surpresas — nas palavras de Aleksei Krivoruchko, vice-ministro de Defesa — este ano concluirão as provas do Zirkon e sua produção em série começará em 2022, tanto para barcos de guerra como para submarinos.

Este míssil hipersônico, da mesma forma que as outras novas armas que o presidente Vladimir Putin qualificou de “invencíveis” ao anunciar que a Rússia se dispunha a incorporá-las ao seu arsenal, reforça a posição negociadora de Moscou nas conversações sobre “estabilidade estratégica” que mantém com Washington.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu