Pesquisar
Pesquisar

Investigação aponta que Reino Unido financia coligação anti-Maduro na Venezuela

Boris Johnson entregou quase meio milhão de libras a uma ONG "para criar uma coligação liderada por um opositor de Nicolás Maduro", revelou o Daily Maverick
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

A informação divulgada esta terça-feira pelo diário on-line Daily Maverick tem como base as “descobertas” realizadas pelo Declassified UK – grupo dedicado ao jornalismo de investigação –, de acordo com as quais 450 mil libras esterlinas (cerca de 500 mil euros) foram transferidas do Fundo de Conflito, Estabilidade e Segurança (CSSF, na sigla em inglês) para a organização não governamental (ONG) Transparencia Venezuela, ramo local da ONG Transparencia Internacional, “para criar uma coligação liderada por um opositor frontal ao governo de Nicolás Maduro”.

A investigação acrescenta que “o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido declarou que desembolsou 250 mil libras em 2019 para estabelecer a Coligación Anticorrupción, que descreve como uma coligação anti-corrupção da sociedade civil e agentes de mídia livres, para os ajudar a combater a corrupção e o crime organizado na Venezuela”.

Para o período março-dezembro de 2020, o Foreign Office deu mais 200 mil libras à Transparencia Venezuela, com o intuito de “fortalecer a sustentabilidade da coligação”, refere a reportagem, acrescentando que esta é dirigida por “alguns dos indivíduos e grupos do país que mais abertamente se opõem ao governo de esquerda de Maduro”.

“Os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos reconhecem a figura da oposição Juan Guaidó como 'presidente interino' da Venezuela e procuraram abertamente destituir Maduro do cargo”, lembra o diário.

Boris Johnson entregou quase meio milhão de libras a uma ONG "para criar uma coligação liderada por um opositor de Nicolás Maduro", revelou o Daily Maverick

Prensa Latina
Juan Guaidó e Boris Jonhson

Quem financia o governo britânico?

Com o pretexto de uma “transformação real” e de uma “nova Venezuela”, a coligação anti-bolivariana, “cujo único financiador externo parece ser o governo britânico, já inclui 781 organizações e promove 243 iniciativas”.

A Transparencia Venezuela confirmou ao Declassified UK que tem a obrigatoriedade de apresentar “relatórios de progresso e gestão de projetos a cada três meses” à Embaixada do Reino Unido em Caracas.

De acordo com o governo britânico, o Fundo de Conflito, Estabilidade e Segurança possui 1,26 mil milhões de libras esterlinas e “trabalha para construir a paz e a estabilidade em países cuja estabilidade está em risco”. Mas, apesar da insistência do Declassified UK, o executivo de Boris Jonhson recusou-se a prestar declarações sobre quem financia na Venezuela.

Na sequência de dois pedidos recentes da Freedom of Information [Liderdade de Informação], o Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID, na sigla em inglês) disse que estava “retendo detalhes das organizações que apoia na Venezuela por motivos de saúde e segurança”.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
Pierre-Yevenel-Stephan
Pierre Stephan: conheça o primeiro ginasta do Haiti a disputar as Olimpíadas em 124 anos
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru