Pesquisar
Pesquisar

Investimento público dinamiza a economia, defende candidata à presidência do Equador

“Não sei o que esse governo [de Guillermo Lasso] está fazendo com dinheiro público!", indaga Luisa González
Redação Hora do Povo
Hora do Povo

Tradução:

“O Estado tem de assumir o papel de dinamizar a economia, de começar a apoiar os setores mais vulneráveis, sobretudo garantindo serviços de saúde e educação de qualidade e gratuitos. No governo da Revolução Cidadã pusemos o Estado trabalhando para todos os setores: para a indústria, gerando empregos; para o setor público, garantindo direitos”, afirmou a advogada Luisa González, dirigente de confiança do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017) e única mulher candidata à Presidência do Equador nas eleições do próximo 20 de agosto.

A ex-deputada (o parlamento é unicameral no Equador) destacou que “o investimento público, como na rede ferroviária e em tudo o que é infraestrutura, dinamiza o emprego, e isso requer fontes de financiamento” e o estabelecimento de prioridades.

Equador: ‘morte cruzada’ é chance de sepultar modelo empresarial-neoliberal fixado em 2017

“Não sei o que esse governo está fazendo com dinheiro público! Há uma execução orçamentária muito baixa porque eles não têm ideia de como funciona. E eu tenho dito claramente: o país não está aqui para experimentar. Já basta. Porque estamos experimentando com pessoas inexperientes, somos como somos. A baixa execução orçamentária de um ministério quando a população tem necessidades mostra que eles são inúteis na gestão do setor público. O que oferece a Revolução Cidadã e Luisa González: um trabalho em equipe. Eu não estou sozinha”, frisou.

Continua após o banner

Para a dirigente oposicionista, “os fundos que estão nessas reservas internacionais devem ser trazidos para o país, é o dinheiro equatoriano que deve ser usado para reativar a economia nacional”.

“Não sei o que esse governo [de Guillermo Lasso] está fazendo com dinheiro público!", indaga Luisa González

Reprodução/Twitter
Luisa está à frente nas pesquisas, com 33,76% dos votos válidos

Geração de emprego e fortalecimento da segurança

Há menos de um mês das eleições, com discurso voltado para a geração de empregos, garantia de direitos e investimento na segurança, Luisa lidera com folga todas as pesquisas de intenção de voto.

A mais recente, a pesquisa Numma indica que a candidata está à frente com 33,76% dos votos válidos, contra 17,5% do megaempresário de mídia, Otto Sonnenholzner, vice-presidente de L. Moreno (2017-2021) – que expulsou Julian Assange da Embaixada do Equador e o entregou à polícia na Inglaterra – e 15,08% do “ecologista” Yaku Pérez.

Equador: força democrática rechaça violência policial a candidata da oposição à Presidência

Em sintonia com a opção por Luisa, 36% dos entrevistados indicaram que a prioridade do próximo governo deverá ser dada à área econômica e 26% à segurança, já que os assassinatos quintuplicaram em seis anos. Além disso, 80% dos entrevistados manifestaram uma opinião “ruim e muito ruim” do presidente banqueiro Guillermo Lasso e 53% indicaram ter uma “opinião boa e muito boa” de Rafael Correa, perseguido político que está exilado na Bélgica. Essa pesquisa tem confiabilidade de 95% e margem de erro de 2,7%.

No total, 13,4 milhões de eleitores vão às urnas para eleger o presidente e o vice-presidente da República, e 137 deputados à Assembleia Nacional. Os eleitos permanecerão no cargo apenas até o final de seu mandato em 2025, pois são eleições extraordinárias, fruto da “Morte cruzada”, mecanismo adotado pelo presidente Guillermo Lasso para fugir do processo de impeachment por corrupção e tentar ganhar uma sobrevida governando por decreto.

Continua após o banner

O sistema eleitoral equatoriano prevê dois turnos para as eleições presidenciais. Caso nenhum candidato ultrapasse os 40% e 10 pontos de diferença do segundo, uma nova votação deverá ser realizada em 15 de outubro.

Frente nacionalista contra o retrocesso neocolonial

Em meio à intensa disputa política, Luisa se consolida como a candidata do desenvolvimentismo, articulando uma ampla frente nacionalista, enquanto a direita se articula com o neocolonial Otto Sonnenholzner, presidente da Associação Equatoriana de Radiodifusão (AER), e Yaku Pérez, sem o respaldo da Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) – que o apoiou em 2021 – expressa uma fratura com os movimentos sociais ao consolidar uma virada traiçoeira em seu programa.

Para o Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (Celag), este distanciamento das camadas populares com Yaku Pérez se explica por ele se mostrar “a favor de um tratado de livre comércio com os Estados Unidos, um ambientalismo sem regulação estatal e a favor de esvaziar de conteúdo ideológico o seu projeto de país”.

Redação Hora do Povo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Hora do Povo

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia